Get Adobe Flash player
Início

Marchas, no RJ e no MA, denunciam o racismo enfrentado pela população negra diariamente

No dia 13 de maio de 2018 completará 130 anos que a escravidão no Brasil foi legalmente abolida. No entanto, a população negra nada tem a comemorar, já que após a assinatura da Lei Áurea (Lei Imperial n.º 3.353/1.888), negros e negras foram tirados das senzalas e deixados a própria sorte,  sem nenhum tipo de reparação.

Por isso, as organizações do movimento negro transformaram esta data em um "Dia Nacional de Denúncia do Racismo".  Este ano, reafirmando a tradição de luta, esta sendo organizado um forte protesto com o objetivo principal de dar visibilidade ao tema. 

Como parte das ações, o Setorial de Negros e Negras da CSP-Conlutas  irá fortalecer as atividades e exigir reparações para os negros e negras, que continuam sendo explorados e sofrendo com o racismo. Os atos e ações terão o mote “130 anos de abolição sem políticas de reparações”.

Serão realizadas manifestações centralizadas nos estados do Rio de Janeiro e Maranhão.

O Rio de Janeiro foi escolhido pelo peso demográfico da população negra nesse estado, além de ser alvo de constantes políticas de repressão: UPPs, encarceramento em massa, toque de recolher e bem recente a intervenção militar, que tem aumentado a violência, sobretudo aos moradores das favelas, o caso absurdo da execução de Marielle e Anderson, bem como a impunidade desse e de outros crimes nos impõe a exigir imediata investigação dos crimes, punição aos criminosos e o fim da intervenção militar. 

No Rio, a Marcha será no dia 12/05 (sábado), no bairro de Madureira, a partir das 11h.  A CSP-Conlutas orienta que outros estados da região sul e sudeste busquem organizar caravanas para o ato.

Já, no Maranhão, o ato ocorre em São Luís, no bairro da Liberdade, considerado o maior quilombo urbano dessa cidade, e que no mês de maio completará 100 anos. A ação também será no dia 12 de maio. O Setorial convoca a todos os setores da CSP-Conlutas da regional norte e nordeste a se organizarem  para também participar do evento.

Nos estados que sediarão os atos já estão sendo realizadas atividades preparatórias com reuniões semanais, e de formação a partir de temas do evento, panfletagem, estudos, mobilização de entidades do movimento negro e de outros setores.

O objetivo do Setorial é dar maior visibilidade ao 13 de maio como um “dia nacional de denúncia do racismo”, enfatizando o processo de exclusão do povo negro em vários aspectos da vida social, combinado com a política de embranquecimento da nação, ocorrido após a abolição.  Buscar a troca de experiências entre diversos setores: sindical, operário, popular e de combate às opressões a partir da pauta democrática por reparações históricas.

As manifestações irão exigir a reparação dos crimes da escravidão e do racismo com reforma agrária, titulações das terras de quilombolas, implementação da lei 10.636, a ampliação da política de ações afirmativas e cotas nas universidades e serviços públicos, na geração de empregos, na desmilitarização da polícia, na suspensão do pagamento da dívida interna e externa, entre outras.

Com informações da CSP-Conlutas e Quilombo Raça e Classe

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Solidariedade