Get Adobe Flash player

24/05, às 13h - Assembleia Estadual dos Servidores Administrativos do extinto MTb

Nesta sexta-feira, 24 de maio, o Sindsef-SP se reunirá com os servidores administrativos do extinto Ministério do Trabalho para debater a situação da reestruturação da SRTE, com a transformação das gerências da capital em agências, e consequentemente a transferência dos servidores dessas unidades para a Superintendência.

Essa semana, servidores que recebem Funções Gratificadas (FGs) foram surpreendidos com a suspensão/redução dos valores, da referida gratificação, na prévia de seus contracheques de maio.  

A justificativa do governo seria o apostilamento das novas chefias. Há previsão é que a situação seja normalizada na próxima folha de pagamento (junho). Esse tema também será debatido na assembleia.

Plenária Nacional Sindical e Popular fortalece preparação da Greve Geral pela base

E os preparativos para a Greve Geral estão todo vapor. No último sábado, 18/05, ocorreu a Plenária Nacional Sindical e Popular, que reuniu mais de 300 pessoas, representando 60 entidades e movimentos, no Sindicato dos Metroviários de São Paulo.

Membros da diretoria do Sindsef-SP se somaram ao encontro, que foi convocado com o objetivo de avançar na preparação da Greve Geral contra a Reforma da Previdência, convocada para o dia 14 de junho. 

Centrais Sindicais preparam agenda de mobilizações dos próximos dias com incorporação do 30 de Maio

Nessa segunda-feira (20), as Centrais Sindicais se reuniram novamente, na sede do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), em São Paulo, para preparar o 14 de junho, dia da Greve Geral.

14 de junho | Greve Geral para derrotar a Reforma da Previdência de Bolsonaro

De norte a sul do Brasil, mais de 1 milhão de pessoas foram às ruas em 15/05, dia da Greve Nacional da Educação, contra os ataques do governo. Levantamentos de órgãos de imprensa dão conta que ocorreram protestos e paralisações em ao menos 188 cidades dos 26 estados e no Distrito Federal.

O ministro Abraham Weintraub, anunciou um corte de 30% das verbas das universidades, com a desculpa de que o objetivo seria investir na Educação Básica. Na verdade, falta verba tanto pra um quanto pro outro, porque o governo usa a maior parte de seu orçamento para pagar a dívida pública aos banqueiros. 

Ao longo do dia, os protestos cresceram em resposta à provocação do presidente da República que, de Dallas, comentou a paralisação: "A maioria ali é militante. Se você perguntar a fórmula da água, não sabe. São uns idiotas úteis que estão sendo usados de massa de manobra de uma minoria espertalhona que compõe o núcleo das universidades federais".