2º Congresso da CSP-Conlutas – Setorial dos SPFs aprovou indicativo de greve para 1º de julho

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Os Servidores Públicos Federais (SPFs) presentes no 2o Congresso Nacional da CSP-Conlutas realizaram uma reunião setorial no terceiro dia para debater a realidade dos servidores, as greves no setor e a campanha salarial deste ano.

Vários representantes de entidades sindicais estavam presentes, entre eles dirigentes e trabalhadores de base do Andes-SN, Fasubra, Fenajufe, Sinasefe, Fenasps, Assibge, Fenasps e sindicatos.

Algumas entidades como os setores da educação, Andes-SN e Fasubra, e a Fenajufe já deflagraram greve e demais entidades estão construindo o movimento.

Nas avaliações foi apontada a perspectiva de intransigência do governo na condução das negociações o que poderá implicar na ausência de resposta à pauta dos servidores nos diversos setores. Foi lembrado ainda que o Orçamento da União deve ser votado em agosto e ate lá só a mobilização da categoria poderá garantir reajuste aos SPFs.

Entre as principais deliberações foi construído um calendário com os presentes a ser indicado e debatido com o conjunto do funcionalismo federal com o objetivo de fortalecer a greve no setor e a campanha salarial com plenárias setoriais no dia 27 de junho, reunião ampliada no dia 28 de junho e deflagração de greve unificada dos servidores públicos federais em 1 de julho.

“Tem que se enfrentar a burocratização das direções governistas que atravancam a construção da greve do funcionalismo. As bases vão acabar passando por cima das direções pelegas que não querem construir a paralisação”, disse Paulo Barela, da CSP-Conlutas.

Foi aprovada também a confecção de um jornal da CSP-Conlutas específico para o setor dos federais.

Os servidores também avaliaram que a classe trabalhadora não pode pagar esta conta e que a CSP-Conlutas tem um papel importante neste processo de construção da greve dos servidores federais.

Foi lembrada ainda a situação das mulheres com a precarização dos direitos no serviço público como, por exemplo, os efeitos da NR-30 que têm o estágio probatório ampliado devido à licença maternidade.

Foi aprovada a proposta de resolução pedindo a revogação desta norma que prejudica as mulheres em licença maternidade e também servidores afastados por doença.

Além disso, também foram propostas ações como a necessidade de se informar e dialogar com a população sobre as consequências na saúde, educação e segurança com os cortes e ajustes fiscal do governo; fortalecer os Fóruns Estaduais dos SPFs , buscar a formação de um Comando Nacional de Greve, unificar a luta com servidores púbicos estaduais.

Para o segundo trimestre será proposto que a CSP-Conlutas realize um seminário sobre o funcionalismo público no segundo semestre.

Fonte – CSP-Conlutas, por Marcela Cornelli

 

[cincopa A4FAgpMTHA_6] 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.