Brasil participa dos protestos contra a crise econômica mundial

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

O dia 15 de outubro foi marcado por diversas manifestações no Brasil e no mundo. Milhares de pessoas protestaram por uma democracia real e pelo fim da ganância corporativa. As manifestações aconteceram em mais de 950 cidades, em 82 países. Roma e Barcelona foram as cidades que mais mobilizaram manifestantes.

No Brasil, aproximadamente 20 cidades foram palco de manifestações, como na Bahia, Rio Grande do Sul, Paraná, Minas Gerais, entre outros.

Em São Paulo, o protesto começou por volta das 10h no Largo de São Bento, região central da capital. Às 12h, cerca de 200 manifestantes inspirados no movimento americano “Ocupe Wall Street” e no espanhol “Indignados”, caminharam pelas ruas do centro até a Praça do Patriarca.

Em sua maioria estudantes, os manifestantes armaram 27 barracas sob o Viaduto do Chá, no Vale do Anhangabaú, próximo à sede da Prefeitura. Eles protestavam contra a construção da usina de Belo Monte e o Novo Código Florestal, e exploração e a opressão. Além disso, o movimento também exigiu o fim das remoções de famílias para a construção de obras da Copa e das Olimpíadas, bem como o gasto público com essas obras.

No Paraná quatro cidades – Curitiba, Londrina, Cascavel e Paranavaí – participaram das manifestações contra a corrupção. O protesto é contra governos e o mercado, com intenção de que as mudanças na sociedade sejam feitas legitimamente pelos interesses do povo. A concentração foi na Universidade Federal do Paraná. Eles estavam com cartazes, faixas, máscaras, megafones e apitos. A marcha foi até o bairro Centro Cívico, núcleo político e jurídico de Curitiba.

As grandes cidades europeias como Berlim, Paris, Bruxelas, Madri, Londres e Atenas tiveram suas ruas tomadas pelos manifestantes. Na Itália, cerca de 100 mil pessoas protestaram em torno do Coliseu. Houve ainda protestos no Canadá, no Japão, Austrália, Nova Zelândia, Filipinas e Indonésia.

 Com informações da CSP-Conlutas, portal G1, e Folha de S. Paulo

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.