Encontro Nacional Unificado dos Servidores Administrativos do MTE

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Será nos dias 29 e 30 de julho o Encontro Nacional Unificado dos Servidores Administrativos do Ministério do Trabalho e Emprego. As entidades nacionais que dividem a base dos servidores do MTE (Condsef, CNTSS e Fenasps) irão debater e deliberar, entre outros, sobre a reposição dos dias de greve e a implantação do ponto eletrônico no órgão.
Os
delegados que participarão do encontro nacional devem ser eleitos em encontros estaduais ou em assembleias. É necessário somar esforços para fazer valer a vontade da categoria e, assim, repudiar o acordo assinado entre a Condsef, CUT e o governo. E exigir a anistia dos dias de greve.
A realização do encontro nacional dos servidores Administrativo do MTE foi definido durante o congresso da Condsef, realizado em dezembro de 2010, sem, no entanto, definir data. Vale lembrar que, frente aos últimos acontecimentos, o Sindsef-SP vinha exigindo desde o final de maio que o encontro fosse realizado, pelo menos,  no inicio de julho, mas não foi possível. Prevalecendo a vontade dos defensores do governo, em detrimento da vontade da base.
O SINDSEF-SP enviou a Condsef requerimento cobrando resposta sobre o  pedido para que a direção da Confederação preste, de imediato, informações sobre em quais instâncias da Condsef foram debatidas e deliberadas as cláusulas do acordo nº. 03/2011, que trata da reposição dos dias de greve. E, ainda, quando e como foi aprovada a autorização para que os representantes da Entidade pudessem assinar tal acordo.

Leia a íntegra dos requerimentos enviados a Condsef.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.