Mais um ministro sob suspeita deixa o governo

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Mais um ministro do governo Dilma caiu nesta quarta-feira (26). Orlando Silva (Esporte) entregou o cargo depois de denúncias de um suposto envolvimento num esquema de desvio de recursos do programa Segundo Tempo, que dá verba a ONGs para incentivar jovens a praticar esportes.

A exoneração de Orlando Silva foi publicada nesta quinta (27) no Diário Oficial da União. A demissão ocorreu um dia depois do anúncio de que o Supremo Tribunal Federal autorizou a instauração de inquérito para investigar o ministro, a pedido da Procuradoria Geral da República.

Alguns nomes já foram cotados para substituí-lo na pasta. Dentre eles estão os deputados Aldo Rebelo (PC do B-SP), Luciana Santos (PC do B-PE) e Flávio Dino (PC do B- MA). O secretário-executivo do ministério, Waldemar Manoel Silva de Souza, fica interinamente no cargo.

A acusação foi feita a uma revista semanal pelo policial militar João Dias Ferreira. O soldado e seu motorista disseram que o ministro recebeu parte do dinheiro desviado pessoalmente na garagem do ministério.

Orlando Silva, do PC do B, foi o sexto ministro do governo Dilma a deixar o cargo. Antes dele, deixaram o gabinete: Pedro Novais (Turismo), Wagner Rossi (Agricultura), Antonio Palocci (Casa Civil) e Alfredo Nascimento (Transportes), todos envolvidos em denúncias de irregularidades. O ministro Nelson Jobim, saiu da Defesa depois de fazer críticas às ministras da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e das Relações Institucionais, Ideli Salvatti.

Com informações da Folha de S. paulo

Foto: Agência Brasil

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.