Marcha contra corrupção marca 7 de setembro

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

 

As comemorações do Dia da Independência, na última quarta-feira (7), foram marcadas por protestos contra a corrupção no país.
A Marcha Contra a Corrupção, um evento marcado pelas redes sociais, mobilizou milhares de pessoas pelo Brasil.

Uma das maiores concentrações ocorreu em Brasília, na Esplanada dos Ministérios. De acordo com a Polícia Militar, mais de 20 mil pessoas saíram do Museu da República em direção à Praça dos Três Poderes. Vestidos de preto, manifestantes protestaram pelo fim do voto secreto na Câmara dos Deputados e no Senado e punição para corruptos. O movimento se declarou apartidário e recebeu o apoio de instituições como a Associação Brasileira de Imprensa e a Ordem dos Advogados do Brasil.

Em São Paulo, cerca de 4000 brasileiros indignados com a política do país tomaram as calçadas e faixas da Avenida Paulista. Outro protesto que também exigia um basta na corrupção ocorreu na avenida. Um grupo denominado Caras Pintadas organizou o ato pela internet, que reuniu 500 pessoas. 

 

GRITO DOS EXCLUÍDOS

Um pouco antes das 11h, ocorreu a tradicional caminhada do Grito dos Excluídos de São Paulo. O tema do evento neste ano foi “Pela vida grita a terra, por direito, todos nós.” Com cerca de 1500 participantes, a marcha começou na Praça da Sé e prosseguiu até o Museu do Ipiranga.

A aposentada Cida Ventura, ligada à Pastoral Operária, carrega a bandeira da CSP-Conlutas e diz que participa desde o primeiro Grito em São Paulo. “É por aí que a gente tem de seguir sempre, na luta”, afirma.

Em sua 17ª edição, o Grito dos Excluídos também ocorreu em outros estados brasileiros. Em Salvador estava programada para ter início uma hora após o desfile de na capital baiana. Na capital mineira, movimentos sociais se reuniram para pedir igualdade. A concentração começou na Praça da Estação, no hipercentro da capital, às 8h30, e os participantes seguiram em passeata até a Praça da Rodoviária e a Praça Sete.

Com informações da CSP-Conlutas, portal G1 e Revista Veja

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.