Novo ministro da Cidade já é alvo de denúncias

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

O novo ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro assumiu o cargo nesta segunda-feira (05) e já é alvo de denúncias de favorecimento a familiares na condição de deputado federal,  O ministro também negou, por meio de nota,  de que seria dono de duas emissoras de rádio no interior da Paraíba que estão em nome de seu ex-contador e de um assessor.

Ribeiro afirmou, por meio de sua assessoria, que declarou à Receita Federal ser sócio das empresas e disse que irá se desligar delas para chefiar o Ministério das Cidades.

Ele não explicou, entretanto, o motivo de ter omitido as informações em sua declaração à Justiça Eleitoral quando se candidatou a deputado federal nas eleições de 2010.

Leia a íntegra da nota divulgada pela assessoria do ministro:

“Sobre as questões relacionadas às rádios informamos o seguinte:

a) O ministro não é proprietário das duas rádios mencionadas;
b) As rádios efetivamente pertencem a pessoas ligadas ao grupo político da familia Ribeiro. Em ambos os casos, porém, o que ocorre é que as rádios têm sua programação arrendada à AE Comunicação, da qual o ministro não é proprietário ou acionista.
c) O ministro já anunciou que estará se desligando completamente de todas as empresas em que tem participação para assumir o Ministério das Cidades, para evitar qualquer tipo de conflito de interesses ou questionamentos em sua nova função, em observância estrita aos princípios da ética publica.

Atenciosamente,
Marcia Gomes
Assessora de Imprensa do Ministro Aguinaldo Ribeiro”


Com informações do G1

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.