Sindsef-SP começa 2013 a todo vapor

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

O sindicato encerrou o recesso em virtude das comemorações de fim de ano e retomou o expediente normal. Agora, com a chegada de 2013, já começam os preparativos para organizar as lutas de toda a classe trabalhadora.

Ainda no final de 2012, um calendário de atividades para os primeiros meses foi elaborado pelas diversas entidades que compõem o fórum nacional em defesa dos servidores e dos serviços públicos.

Está marcado para o dia 22 de janeiro o protocolo dos eixos da nova Campanha Salarial Unificada do Setor Público, com concentração no Espaço do Servidor, ao lado do Bloco C da Esplanada dos Ministérios, em Brasília. A pauta da campanha de 2013 será praticamente a mesma do ano passado, já que reivindicações importantes ainda não foram conquistadas. Será necessário exigir o cumprimento dos acordos firmados e a revisão dos pontos não contemplados.

Ainda no dia 27 deste início de ano vai acontecer o seminário sobre negociação coletiva, direito de greve e acordo coletivo especial no Fórum Social Mundial, em Porto Alegre. Vai ser um importante espaço para avançar na construção da mais ampla unidade dos trabalhadores do país para defender direitos conquistados e barrar os ataques do governo Dilma.

Já em 20 de fevereiro acontecerá o lançamento da Campanha Salarial Unificada do Setor Público, no auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados Federais. No dia seguinte, será a vez de discutir no Senado o mesmo tema do seminário realizado durante o FSM. A atividade deve ser realizada no auditório Petrônio Portela.

Em abril, os servidores públicos vão às ruas ombro a ombro com os companheiros do setor privado, na Grande Marcha na Esplanada dos Ministérios em defesa dos direitos dos trabalhadores. A manifestação vai pautar a luta contra o Acordo Coletivo Especial, que representa a flexibilização dos direitos trabalhistas em resposta à crise econômica; em defesa da anulação da reforma da previdência, comprada com o dinheiro sujo do mensalão; pelo fim do Fator Previdenciário e contra a Fórmula 85/95, que visa impor a combinação de tempo de contribuição e a idade para aposentadoria; e, também, demandas dos movimentos populares, sem terra e sem teto, estudantis e contra opressões específicas.

A unidade construída em 2012 deve ser retomada agora. Este primeiro período será o momento de realizar e participar de seminários, palestras e debates, bem como de iniciar ações públicas de mobilização com materiais sobre os elementos determinantes na conjuntura, como o ACE e a anulação da reforma da previdência.

 

Confira as bandeiras da Grande Marcha:

 – Contra o ACE (Acordo Coletivo Especial): direitos não se negociam, contra a precarização do trabalho;

 – Defesa da aposentadoria e da previdência pública: não ao fator previdenciário e anulação da reforma da previdência de 2003;

 – Aumento geral de salários;

 – Adoção imediata da convenção 158 da OIT (Organização Internacional do Trabalho);

 – Redução da jornada de trabalho sem redução salarial;

 – Em defesa dos(as) servidores(as) públicos(as);

 – Em defesa da educação e saúde públicas;

 – Em defesa do direito à moradia digna, terra pra quem nela trabalha, reforma agrária já, respeito aos quilombolas e povos indígenas;

 – Contra as privatizações: defesa do patrimônio e dos recursos naturais do Brasil;

 – Contra o novo código florestal, em defesa do meio ambiente;

 – Contra a criminalização da pobreza e dos movimentos sociais;

 – Contra toda forma de discriminação e opressão.

 

Participe e divulgue as atividades do Sindsef-SP e da CSP-Conlutas.

 Lute pelos seus direitos!

 

“Quem não se movimenta, não sente as correntes que o prendem” (Rosa Luxemburgo)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.