URGENTE: Não ao despejo da Ocupação dos Queixadas!

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

A Ocupação dos Queixadas está sob ameaça de despejo. Depois de uma audiência virtual realizada na última terça-feira, 29, as famílias aguardam a decisão judicial acerca do mandato de reintegração de posse. O Sindsef-SP, juntamente à CSP-Conlutas, tem acompanhado o desenvolvimento dessa luta justa por moradia digna e apela pela solidariedade aos Queixadas.

O sindicato chegou a fazer campanhas em apoio à ocupação por meio da arrecadação de donativos, como cobertores e agasalhos, alimentos, materiais para cozinha, roupas, brinquedos e livros. Mesmo tendo muito pouco, aquilo que receberam dividiram com a comunidade ao redor, o que demonstra que a solidariedade entre os debaixo é muito superior à ganância dos de cima.Com muita organização e suor, há mais de 1 ano, os trabalhadores e trabalhadoras vêm promovendo uma verdadeira transformação na área abandonada há 40 anos, sem qualquer uso ou função. Foram construídos espaços coletivos, na perspectiva de que não basta um teto, mas também bem-viver na comunidade. Além do barracão coletivo, onde são feitas assembleias, destinado às reuniões, cursos, apresentações e oficinas culturais e aulas para as crianças, há uma horta e uma biblioteca recém-reinaugurada. 

A biblioteca foi pensada e construída por vários braços dos próprios moradores – mulheres e homens, crianças, jovens, adultos, idosos e idosas. É um espaço de convivência, de troca de conhecimento, de cuidado e organização de todos. Como relatou o movimento Lula Popular: “Numa cidade onde não existem espaço como este, os Queixadas mostram que a nossa classe é capaz de fazer acontecer!”.

Ali estão mães e pais de famílias que não conseguem arcar com o alto custo de um aluguel. Muitos relatam que chegou um momento que precisavam escolher entre pagar o aluguel ou garantir uma alimentação para os filhos. A Ocupação dos Queixadas mudou essa dura realidade.

O Sindsef-SP entende que essa experiência não pode acabar. O terreno não deve cair nas mãos de quem não faz uso da terra para a vida. A terra é para quem nela vive e trabalha! Pão, trabalho, terra e moradia são direitos fundamentais. Se não há respeito pela Constituição Federal, pelo Estatuto da Terra e pelo da Cidade, só resta exercer o legítimo direito de resistência.

Todo apoio e solidariedade à Ocupação dos Queixadas!

 

 

 

Publicado em 01 de outubro de 2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.