02 de outubro | Construir um forte dia de luta! Fora Bolsonaro, Já!

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

O dia 2 de outubro foi definido como o próximo dia nacional de manifestações pelo Fora Bolsonaro e é preciso, desde já, empenhar todos os esforços para a construção deste dia de mobilização.

Para a CSP-Conlutas, dar um basta ao governo genocida, corrupto, ultraliberal e autoritário de Bolsonaro e Mourão é a tarefa mais urgente em defesa da classe trabalhadora no atual momento.

Como definiu em nota a Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas, “após o festival de ameaças golpistas promovidas por Bolsonaro e sua tropa, no último dia 7 de setembro, é indiscutível que se torna ainda mais urgente ampliar as ações unificadas e intensificar a mobilização para botar para fora esse governo de ultradireita, em defesa da vida e das liberdades democráticas e, para isso, é necessária a mais ampla unidade de ação nas ruas”.

Construir atos desde já

Às nossas entidades e movimentos filiados, bem como às organizações que compõem a Campanha Nacional Fora Bolsonaro, especialmente às demais Centrais Sindicais, fazemos o chamado para que sejam empenhados todos os esforços necessários para divulgar amplamente a convocação desde dia de luta e garantir a organização dos atos.

Devem ser realizadas plenárias, assembleias, panfletagens e agitação nos locais de trabalho, estudo e moradia, levar carros de som nos bairros, periferias e ocupações, assim como fazer uma intensa campanha nas redes sociais.

Em cada fábrica, canteiro de obra, serviço público, local de estudo e moradia, nas redes sociais, enfim, em todos os espaços, precisamos divulgar este dia de luta e discutir com a classe trabalhadora e a população em geral a necessidade de intensificarmos a mobilização para dar um basta neste governo que está promovendo um genocídio e destruindo o país.

 

Basta de mortes, desemprego e carestia

Os trabalhadores brasileiros e a população, principalmente mais pobre, estão sofrendo os efeitos da política genocida e ultraliberal aplicada pelo governo de Bolsonaro, responsável por quase 600 mil mortes por Covid-19, além do aumento do desemprego, da inflação, da fome e da miséria.

Sem um combate efetivo à pandemia, assistimos um genocídio e um aprofundamento das crises econômica e social no país. O governo foi negacionista e boicotou a aquisição de vacinas e, por isso, não chega a 40% o número de brasileiros vacinados com duas doses no país. Por outro lado, fizeram um esquema de corrupção asqueroso via o Ministério da Saúde durante a pandemia, como tem revelado a CPI da Covid no Senado.

A disparada da inflação, o desemprego recorde e o mercado de trabalho cada vez mais precarizado, o litro da gasolina vendido a R$ 7, o gás de cozinha por mais de R$ 100, o tarifaço nas contas de luz, o risco de apagão são realidade no país. A carestia tornou-se uma realidade e os trabalhadores chegam ao final do mês sem dinheiro para garantir necessidades básicas como comer, morar e trabalhar.

Sem falar nas reformas e medidas que avançam com as privatizações, a redução de direitos trabalhistas e com os ataques aos setores oprimidos como as mulheres, negros e negras, LGBTQIA+, aos indígenas, quilombolas, camponeses, sem teto, sem terra, à juventude e aos aposentados.

O Brasil está na UTI e ainda assim Bolsonaro intensifica suas ameaças e planos golpistas, porque quer impor uma ditadura para seguir seus ataques.

 

Aumentar a pressão e construir a Greve Geral

Na quinta-feira (15), nove partidos de oposição anunciaram que estarão juntos para construir os atos de 2 de outubro, bem como no dia 15 de novembro que também faz parte do calendário de lutas pelo Fora Bolsonaro. Discute-se ainda a adesão de partidos de centro-direita, como PSDB, DEM, PSD e MDB.

“Como destaca a nota da SEN da CSP-Conlutas, a luta pelo Fora Bolsonaro deve ser construída com todas as organizações sindicais, populares e os partidos políticos que estiverem dispostos a ir às ruas pelo Fora Bolsonaro e pela defesa das liberdades democráticas. Uma unidade de ação para a luta direta”, explica o Atnágoras Lopes.

“Com essa ampla unidade de ação o objetivo é levar para as ruas todos aqueles e aquelas que se opõem a Bolsonaro. Mas isso não se confunde com projetos e estratégias eleitorais a favor de um candidato, nem com formação de frentes amplas e projetos de conciliação com a burguesia. A CSP-Conlutas estará junto nas ruas para deter Bolsonaro, mas manterá sua independência e autonomia e a defesa de um programa classista e socialista contra a crise”, ressaltou.

“O caminho para a classe trabalhadora é deter este governo nefasto, aumentando a pressão nas ruas e construindo uma Greve Geral”, concluiu o dirigente.

Dia 2 vamos às ruas, rumo à Greve Geral! Fora Bolsonaro e Mourão, já!

Fonte: CSP-Conlutas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.