12/06 – Sindsef-SP fortalece o dia nacional de Luta

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Os servidores públicos federais (SPFs) realizaram uma importante manifestação no dia 12 de junho, Dia Nacional de luta, em frente ao Hospital Universitário da UNIFESP – Hospital São Paulo. A atividade dá continuidade na luta contra a retirada de direitos da classe trabalhadora e faz parte da campanha salarial dos SPFs.

A anulação da reforma da previdência de 2003 e a revogação da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH) também estiveram entre os principais eixos da manifestação. O ato unificou servidores ativos e aposentados de diferentes setores do funcionalismo.

Cientes que a luta unificada é único caminho para pressionar o governo, o Fórum de Entidades dos Servidores Públicos Federais do Estado de São Paulo reuniu representantes do Sindsef, Sintunifesp, Sintrajud, Sinsprev, Sinal, CSP-Conlutas , Fenasps, PSTU, Mulheres em Luta e Setorial LGBT da CSP-Conlutas.

As falas que se sucediam apresentavam elementos que desmentiam o país de faz de conta pintado pela presidente Dilma e sua equipe.  “O Brasil virou um balcão de negócios para retirar direitos dos trabalhadores”, avaliou o diretor do Sintrajud, Cleber Aguiar.

A antecipação das parcelas do reajuste dos servidores federais está na pauta da campanha salarial 2013, “pois a inflação já está maior que aumento”, lembrou o secretário-geral do Sindsef-SP, Carlos Daniel.

O dirigente do Sintunifesp, Emanuel Oliveira, chamou a atenção para a situação de incerteza dos trabalhadores com a mudança na forma de gestão dos hospitais universitários, com destaque para os técnicos administrativos. Com a EBSERH, o regime jurídico único esta ameaçado e os servidores em pouco tempo estarão em extinção. A situação do atendimento aos pacientes, que já é precária, também é preocupante, pois prevalecerá a busca do lucro.

“O direito do trabalhador tem que ser respeitado e todo cidadão tem direito a um atendimento de qualidade. Pois pagamos impostos e a finalidade destes impostos deveria ser garantir serviços públicos, como saúde e educação, de qualidade”, criticou.

Na sequencia, representando a  CSP-Conlutas,  o servidor do Incra e secretário de Imprensa  do Sindef-SP, Helton Ribeiro destacou o aprofundamento da política neoliberal  desde a época de Collor até os dias atuais.  As inúmeras privatizações realizadas pelos governos do PSDB e do PT também foram analisadas, “aquilo que não é privatizado está sendo desmantelado pelo governo”, falou em alusão ao desmonte da FUNAI.  “ o latifúndio não quer mais a demarcação das terras indígenas, é por isso que o governo esta desmontando a Funai”, desabafou.

A servidora aposentada do judiciário, Maria Helena Leal, abordou a triste realidade dos aposentados que com os baixos salários são forçados a continuar trabalhando para sobreviver.

A presença ostensiva da policia foi criticada pelos manifestantes. ”Será que o local recebe a mesma atenção no dia a dia?”, perguntou um dos presentes. A resposta foi um sonoro não. “assaltos são constantes na região”, afirmou um servidor do hospital.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

PGFN: Política de Reajuste Zero do governo Lula desafia servidores

O Sindsef-SP realizou assembleia com os servidores administrativos da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), no dia 21/02. Luís Genova, Secretário Geral da entidade, avaliou que na política econômica do governo Lula, o que se destaca é a amarga realidade de um reajuste zero para os servidores públicos.