13 de julho: Dia de luta do Servidor do DNIT

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Os servidores do DNIT aprovaram uma mobilização para o próximo dia 13 de julho, quarta-feira. Será o Dia Nacional de Luta do DNIT. Neste dia acontece em Brasília um ato contra a Corrupção e os servidores do DNIT/SP fazem uma agitação na porta do órgão. 
Durante
a última plenária nacional da Condsef, realizada em 08/07, foi aprovado o Ato contra a corrupção e pelo atendimento das reivindicações dos servidores. Desde o início da semana passada o Ministério dos Transportes tem sido alvo de denúncias de corrupção. Inclusive, o Diretor Geral do DNIT, Luiz Antonio Pagot, foi afastado por suspeita de irregularidades.


Em luta desde 2008

O diretor do SINDSEF-SP e servidor do DNIT/SP, André Hernandes, lembra que na última greve, em 2008, entre as reivindicações  da categoria estava a reestruturação do órgão. André afirma que a mobilização prevista para o dia 13 vai além da campanha salarial, é em defesa do serviço público. “Os servidores tempos vêm pedindo a reestruturação do órgão”, diz ele.
A corrupção denunciada é mais uma prova de que existe dinheiro para atender as reivindicações dos servidores. O dinheiro desviado deixa de atender as necessidades da população, que é quem, de fato, paga esta conta.
No dia 13 de julho, quarta-feira, está prevista uma assembleia em frente ao DNIT, em Brasília, e, logo após, uma caminhada até o Ministério dos Transportes. em São Paulo, os servidores irão agitar o dia com manifestação na porta do órgão.

Os servidores do DNIT lutam por: um serviço público de qualidade!
Pela
reestruturação do DNIT!
Pelo
fim da ingerência política no órgão!
Por
capacitação profissional para os servidores e pelo provimento de cargos de comissão exclusivamente por servidores da carreira!
Pela
realização de concursos públicos!

E por fim, e tão importante quanto, pelo cancelamento dos Editais de terceirização!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.