17 de maio é o Dia Internacional Contra a LGBTfobia

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

17 de maio é o Dia Internacional Contra a LGBTfobia e tem como objetivo conscientizar a população sobre o enfrentamento à violência e à discriminação sofrida pela comunidade LGBTQIAPN+. A data foi criada em 1990 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) após a retirada da homossexualidade da lista de doenças mentais.

Lutar contra a LGBTfobia é fundamental para que as pessoas, independentemente da sua orientação sexual ou identidade de gênero, possam viver com segurança e dignidade. Essa luta, porém, não está isolada da luta pelo fim da exploração capitalista.

A discriminação, além de gerar violência e afetar negativamente a saúde mental e física das pessoas LGBTQIAPN+, dificulta o acesso a oportunidades de trabalho digno, jogando-as, principalmente as negras, nos trabalhos mais precarizados e desumanos.

Por outro lado, algumas das conquistas recentes da população LGBTQIAPN+ comprovam que a luta pelo fim do preconceito vale a pena. Entre elas estão a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo em diversos países; a aprovação de leis de proteção contra a discriminação; a criminalização da LGBTfobia; a inclusão de identidades de gênero diversas em documentos oficiais e a maior representatividade LGBTQIAPN+ em cargos políticos e mídia, ainda que insuficiente.

No Brasil, destaca-se entre as conquistas um dado: os casamentos homoafetivos cresceram quatro vezes em 10 anos de permissão. Em média, são realizadas 7,6 mil celebrações por ano no país, sendo que 56% delas são entre casais femininos e 44% delas entre casais masculinos.

O Congresso Nacional ainda não editou a lei que obrigue os cartórios a celebrar estes atos, mas o Supremo Tribunal Federal (STF), em 2011, equiparou as uniões estáveis homoafetivas às heteroafetivas, em julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4277 e da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 132. Assim, a luta pelo direito de amar continua.

É importante trabalharmos juntos para criar um mundo justo e inclusivo para todos. Junte-se a nós contra todas as formas de opressão e exploração!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

PGFN: Política de Reajuste Zero do governo Lula desafia servidores

O Sindsef-SP realizou assembleia com os servidores administrativos da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), no dia 21/02. Luís Genova, Secretário Geral da entidade, avaliou que na política econômica do governo Lula, o que se destaca é a amarga realidade de um reajuste zero para os servidores públicos.