19º Congresso do Sindsef-SP presta uma singela homenagem aos companheiros de luta

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Nos dias 26 e 27 de setembro ocorreu o 19º Congresso do Sindsef-SP. O evento reuniu delegados que estão na ativa e aposentados de diferentes órgãos do interior e da capital.  Entre os destaques deste congresso está a presença de novos servidores e o alto nível dos debates promovidos nos grupos.

O congresso começou com uma singela homenagem a alguns dos servidores e companheiros de luta que nos deixaram neste último ano.  A delegada de base Beth Lima e a diretora da Secretaria de Aposentados e Pensionista, Bernadete Serafim, emocionaram o plenário com suas saudações.

O companheiro Dirceu Travesso, o  Didi, também foi homenageado. Beth resgatou os momentos em ele esteve presente ao lado dos servidores da base do Sindsef-SP “sempre acreditando que era possível transformar este país e trazer uma nova realidade para o nosso povo tão sofrido”.

“Nós seguiremos o seu exemplo. E  espero que este congresso cumpra a sua tarefa  de aprovar propostas que ajude a categoria a continuar a sua luta”, encerrou Beth.

Bernadete falou, com a voz embargada, sobre os servidores aposentados que nunca abandonaram o movimento sindical. “Eles sempre acreditaram que só a luta muda a vida e morreram lutando por uma vida melhor”, lembrou a dirigente.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.