25 de abril – Servidores cruzam os braços para pressionar o governo

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Servidores públicos federais de todo o país realizam nesta quarta-feira (25/04), um Dia Nacional de Lutas, com várias mobilizações para dar visibilidade à campanha salarial 2012. Como parte desse processo ocorre paralisações de 24 horas em alguns setores.
Em São Paulo, os servidores do Ministério do Trabalho e Emprego, lotados na Superintendência Regional (SRTE/SP), aderiram ao Dia Nacional de Paralisação.  Desde cedo os trabalhadores estão concentrados na frente da sede SRTE, situada na Rua Martins Fontes, distribuindo carta à população, explicando os motivos da manifestação. Também decidiram parar por 24 horas os servidores do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN).
Os SPFs buscam construir condições para derrubar a política de salários congelados e a redução de direitos imposta pelo governo Dilma.  No decorrer deste dia ocorre manifestações no Incra, IBAMA, SPU, DNPM e em outros órgãos da capital e do interior.
Além disso, haverá atividades em Brasília e demais estados do pais. Esta é uma resposta da categoria após a desastrosa reunião de negociação com o governo em março. Na ocasião o secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento, Sérgio Mendonça, deixou explícito que o governo manterá a política de reajuste zero.

Notícias relacionadas:

Servidores da SPU/SP participam do Dia Nacional de Paralisação

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Cartão do Dia dos Aposentados

Feliz Dia dos Aposentados

O Sindsef-SP parabeniza os aposentados e as aposentadas pelo seu dia e reafirma seu compromisso na luta por paridade entre ativos, aposentados e pensionistas, pelo cumprimento do Estatuto do Idoso, contra os ataques à previdência e pela recomposição salarial.

Crítica: filme Noites de Paris

Nesta crítica, saiba sobre o filme Noites de Paris, que se passa em 1981. No ano de eleições, comemorações se espalham pelas ruas e há um ar de esperança e mudança.