25 de julho – Sindsef-SP na luta contra a opressão de raça e gênero

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Em São Paulo, o Dia de Luta das Mulheres Negras Latino-Americanas e Caribenhas começou às 7h da manhã, na portaria do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares – IPEN.
Ativistas do Sindsef-SP, do Quilombo Raça e Classe, do Movimento Mulheres em Luta (MML) e da ANEL realizaram panfletagem com materiais buscando dar visibilidade a esta data e, principalmente, fortalecer a luta e a resistência das mulheres negras contra a dupla discriminação, de raça e gênero.

A atividade reuniu mulheres e homens, negros e brancos, que são contra a opressão e a exploração.

É preciso lutar e exigir, além de um programa geral elaborado para as mulheres, uma política específica para as mulheres negras, que combata as diferenças, o desemprego, a violência e baixa formação escolar, que atinge particularmente a população feminina negra.

A data é celerada desde 1992, quando ocorreu o I encontro de Mulheres Negras Latino-Americanas e Caribenhas, que reuniu mulheres de 70 países para debater o combate às opressões raciais e machistas.

Encerrando as atividades do dia, será realizada uma mobilização no Largo do Paissandú, ao lado da estátua “Mãe Preta”, às 17h.

Leia o panfleto.

[cincopa AANAmP7Kje5F]

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Curtas Jornadas Noite Adentro

Vale a pena conferir o longa Curtas Jornadas Noite Adentro, de Thiago B. Mendonça, que estará disponível na plataforma on-line do Sesc até 25.02.2023.

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.