28/07 – Assembleia estadual dos Servidores do MTE

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Amanhã, 28/07, o Sindsef-SP realiza Assembleia Estadual dos Servidores do MTE, em pauta a organização da greve marcada para iniciar em 29/07.

 A deflagração da greve foi decidida no dia 22 de julho, Dia Nacional de Mobilização dos Servidores Públicos Federais, após amplo debate na assembleia estadual dos setor.

A decisão teve como mote principal o profundo descontentamento da categoria em relação à proposta apresentada pelo Governo Federal que sequer repõe a inflação e ainda amarra a categoria por 04 anos.

O governo Dilma, ao priorizar o pagamento dos juros e amortização da dívida pública, gasta quase 50% de seu orçamento com os banqueiros e investidores. Aí alega não ter dinheiro para Saúde, Educação e nem para reajustar os salários dos servidores, já tão corroídos pela inflação, decorrente principalmente do aumento dos preços dos alimentos, das tarifas, dos transportes e dos aluguéis.

Não basta rejeitar a proposta do governo, é preciso envolver a categoria em uma forte mobilização para forçar o governo a apresentar uma proposta que atenda as nossas reivindicações.

Neste sentido, fazemos um chamado a todos os servidores para aderirem a greve e construirmos uma forte mobilização nacional. Esta luta é de todos! Estamos em uma campanha salarial unificada e precisamos fortalecer o movimento.

A assembleia Estadual dos servidores do MTE, será nesta terça-feira, 28/07, às 13h, na SRTE/SP (Rua Martins Fontes, 109 – Centro / São Paulo -SP).


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

PGFN: Política de Reajuste Zero do governo Lula desafia servidores

O Sindsef-SP realizou assembleia com os servidores administrativos da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), no dia 21/02. Luís Genova, Secretário Geral da entidade, avaliou que na política econômica do governo Lula, o que se destaca é a amarga realidade de um reajuste zero para os servidores públicos.