60 anos do golpe militar no Brasil

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

A CSP-Conlutas preparou uma série de materiais especiais sobre os 60 anos do golpe militar no Brasil: Para que não se esqueça! Para que nunca mais aconteça! Confira!

Para que não se esqueça, para que não mais aconteça. Ditadura nunca mais!

Em respeito às vítimas e seus familiares, não podemos passar uma borracha nos crimes ocorridos no regime militar no Brasil. Manteremos a luta por memória, verdade, justiça e reparação, de forma independente

Perseguições, demissões, prisões, torturas, terror e morte. Esse é o perfil do regime militar imposto no Brasil em 1964 e que durou até 1985. Mas houve também resistência, e muita. Estudantes, trabalhadores, camponeses, classe artística. Foram protestos, manifestações gigantescas, e por fim, as grandiosas greves da classe operária que foram decisivas para derrubar a ditadura brasileira.

Em 1979, após forte campanha pela Anistia Ampla, Geral e Irrestrita, o governo se viu obrigado a negociar a anistia, que permitiu a volta de exilados políticos e libertou outros de prisões, mas também impôs a não punição a policiais militares, torturadores, assassinos, os responsáveis pelos crimes da ditadura. Foi a impunidade aos militares que mantém um entulho autoritário e repressivo até os dias de hoje e também possibilitou o crescimento da extrema direita e ações como a tentativa de um novo golpe em 8 de janeiro de 2023.

Por isso, é inaceitável o governo Lula ter determinado ao Ministério dos Direitos Humanos que cancelasse a solenidade sobre os 60 anos do golpe, que estava marcada para o dia 1° de abril, no Museu da República, em Brasília (DF). O evento homenagearia as vítimas e perseguidos pela ditadura, que durou 21 anos.

Além disso, no último dia 28 de fevereiro, em entrevista à RedeTV, Lula chegou a declarar que não quer ficar “remoendo” o golpe militar de 1964, que é “coisa do passado” e quer “tocar o país para a frente”. Um profundo desrespeito às vítimas e famílias das vítimas do regime militar.

Não pode haver conciliação com os militares e seus cúmplices.

Em contraposição ao governo Lula, a CSP-Conlutas vai continuar a “remoer” o golpe de 1964.

Organizaremos e participaremos de atividades que lembrem as atrocidades cometidas pelo regime militar que afetaram profundamente o povo brasileiro.

Confira no link https://cspconlutas.org.br/60-anos-do-golpe artigos, debates e matérias produzidas pela Central.

A CSP-Conlutas cerra fileiras na luta por Memória, Verdade, Justiça e Reparação, de forma independente.

  • Exigimos prisão imediata para Bolsonaro e todos os golpistas. Sem anistia ou conciliação com tais golpistas.
  • Exigimos reparação às vítimas da ditadura, com anistia daqueles que ainda não foram reparados.
  • Para que não se esqueça, para que não mais aconteça. Ditadura Nunca Mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

17/04: Ato contra a privatização da Sabesp!

A votação do projeto que privatiza a Sabesp, empresa responsável pelo tratamento de água e esgoto de São Paulo pode acontecer nesta quarta-feira, 17. Para barrar essa proposta nefasta, haverá um ato público a partir das 14h na Câmara de Vereadores.