A máquina e seus operadores

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Um dia, em uma terra bastante conflituosa, um homem criou uma máquina que podia produzir tudo o que fosse necessário à sobrevivência e satisfação espiritual de toda a população.
Muitos disputaram essa máquina.

Ganhou o que prometeu utilizá-la para o fim pelo qual foi criada, dentre tantas outras propostas. E assim o fez.

Porém, o ser humano é mortal e seu sucessor, que acreditava ser individualmente superior aos demais companheiros, pensava que isso era injusto.

Então, resolveu não mais distribuir tudo que era produzido por essa máquina e sim trocar por bens ou utilidades para satisfazer seus interesses pessoais.

E, dessa forma, tornou-se rico e os outros, pobres.

A máquina, entretanto, nunca perdeu sua função; apenas seus sucessivos operadores resolveram continuar a utilizando para objetivo diverso para o qual foi criada.

Por vezes, alguns lembram dessa finalidade primordial e tentam fazer com seja reconfigurada com a função original.

Contudo, as necessidades egoístas daqueles que continuaram a operando acabam por se impor, em grande parte e na prática pelo uso da violência, apesar da crescente insatisfação de todos os demais.

Alexandre Schnur Gabriel Ferreira 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Cartão do Dia dos Aposentados

Feliz Dia dos Aposentados

O Sindsef-SP parabeniza os aposentados e as aposentadas pelo seu dia e reafirma seu compromisso na luta por paridade entre ativos, aposentados e pensionistas, pelo cumprimento do Estatuto do Idoso, contra os ataques à previdência e pela recomposição salarial.

Crítica: filme Noites de Paris

Nesta crítica, saiba sobre o filme Noites de Paris, que se passa em 1981. No ano de eleições, comemorações se espalham pelas ruas e há um ar de esperança e mudança.