Artigo: Mensalão, o casuísmo governista da CUT.

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

por Paulo Barela, membro da Secretaria Executiva Nacional  da CSP-Conlutas

 

No último dia 10/10 a Central Única dos Trabalhadores (CUT) emitiu a nota “O casuísmo do STF” (veja aqui) acusando o Supremo Tribunal Federal (STF) de casuísmo no julgamento da Ação Penal 470. Esta Ação julga os envolvidos no esquema de corrupção que ficou conhecido como mensalão. Conforme denúncia do Ministério Público o esquema envolvia a compra de votos no Congresso Nacional cujo objetivo era aprovar projetos de interesse do governo.

A nota da CUT se dá justamente quando os votos já emitidos pelos ministros do STF apontam a tendência de condenação, por vários crimes, do chamado núcleo político envolvendo notórias figuras do Partido dos Trabalhadores (PT) e integrantes do governo Lula.

A CUT acusa o STF de ter se colocado a serviço dos conservadores e da imprensa neoliberal no processo eleitoral para beneficiar os reacionários. Não refutamos o caráter reacionário da justiça burguesa, em especial de seus tribunais superiores, como o STF, sempre à serviço dos interesses dos ricos e poderosos. No entanto, se esse julgamento não muda o caráter de classe do STF, também não muda o fato de que os responsáveis pelo mensalão devem ser julgados e punidos por seus crimes.

Para a CUT, o chamado esquema do mensalão é uma obra de ficção, inventada para degradar a imagem do PT e de seus dirigentes, que estariam sofrendo perseguição política. Porém, foi o próprio PT quem afastou o seu tesoureiro, Delúbio Soares, sob a alegação de que este desenvolvia práticas inaceitáveis, às quais, segundo o ex-presidente Lula, seu governo nunca teve conhecimento.

É de se lamentar que a nota da CUT não registre uma vírgula sobre a possibilidade de que a reforma da previdência de Lula, aprovada na época do mensalão, tenha sido fruto de uma fraude, e garantida com a compra de votos de parlamentares.

É quase uma tragédia registrar que, no momento em que o Fórum Nacional das Entidades dos Servidores Públicos decide deflagrar uma Campanha Pela Anulação daquela reforma, a CUT divulgue uma nota que se coloca na contramão dessa luta. O governismo desenfreado e a necessidade de se contrapor a utilização do escândalo do mensalão no segundo turno do processo eleitoral é que justificam essa posição.

Para a CSP-Conlutas e as diversas entidades representativas dos servidores públicos que foram lesados na reforma da previdência de Lula, não resta dúvida de que a aprovação daquela reforma ocorreu com base numa fraude com a compra de votos.

O fato de os partidos burgueses tradicionais utilizarem o escândalo para obter dividendos eleitorais não pode ser um limitador para ação política em defesa dos direitos dos trabalhadores. Estamos ao lado dos servidores na luta pela anulação da reforma da previdência. Exigimos que a CUT recue da postura de defesa dos responsáveis pelos crimes do mensalão e apóie a luta dos servidores públicos pela ANULAÇÃO DESSA EXPÚRIA REFORMA PREVIDENCIÁRIA.

Cadeia para os corruptos e corruptores!

Pela anulação da reforma da previdência e de todas as leis contra os trabalhadores aprovadas na época do mensalão!

 

Fonte: CSP-Conlutas

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Cartão do Dia dos Aposentados

Feliz Dia dos Aposentados

O Sindsef-SP parabeniza os aposentados e as aposentadas pelo seu dia e reafirma seu compromisso na luta por paridade entre ativos, aposentados e pensionistas, pelo cumprimento do Estatuto do Idoso, contra os ataques à previdência e pela recomposição salarial.

Crítica: filme Noites de Paris

Nesta crítica, saiba sobre o filme Noites de Paris, que se passa em 1981. No ano de eleições, comemorações se espalham pelas ruas e há um ar de esperança e mudança.