Assembleia Estadual do Sindsef-SP aprova greve a partir do dia 11 de julho

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Os Servidores Públicos Federais (SPFs) do estado de São Paulo aprovaram, por unanimidade, aderir a greve unificada da categoria a partir do dia 11 de julho. A deliberação aconteceu durante a Assembleia Estadual do Sindsef-SP, realizada dia 02 de julho, na sede do sindicato.

O objetivo é fortalecer e ampliar o movimento nacional e forçar o governo a atender as justas reivindicações da categoria. Após meses de negociações sem sucesso, onde a equipe do governo Dilma se nega a apresentar propostas concretas aos servidores, o funcionalismo não teve outro caminho e deflagrou uma greve nacional.

O ponta pé inicial foi dos docentes das universidades federais, base do ANDES-SN. A greve paralisou 57 universidades federais por todo o país.  Em seguida os técnicos-administrativos (Fasubra) e os Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe), engrossaram o movimento.

Em junho foi a vez do Judiciário, que aderiu ao movimento com o mote “Sem negociação não vai haver eleição”. Na administração pública, base da Condsef, a greve já atinge 26 categorias, em 22 estados e Distrito Federal.

Os servidores da base do Sindsef-SP deram um importante passo e aprovaram, por  unanimidades os seguintes encaminhamentos:
1.  Deflagração da greve por tempo indeterminado no Serviço Público Federal no Estado de São Paulo a partir do dia 11/07, seguindo o movimento nacional;
2.  O Comando Estadual de Greve/Mobilização será formado por dois representantes de cada órgão que entrar em greve;
3.  Cada órgão elegerá o comando local dos órgãos em greve;
4.  Esta assembleia delibera que a partir do dia 11/07 estamos em assembleia permanente, tanto nos órgãos como na assembléia geral e estadual;
5.  Participação nas atividades nacionais dentro das possibilidades financeiras da entidade, sendo que envidaremos todos os esforços para seguir o calendário nacional;
6.  Ato na porta da GEAP no dia 17/07 em conjunto com outras entidades;
7.  Participar das Reuniões da Coordenação Estadual das Entidades de São Paulo buscando a unificação das lutas no Estado;
8.  Rodada de assembleias nos locais de trabalho;
9.  Discutir a pauta específica nos órgãos com o objetivo de combinar com a pauta geral já aprovada nacionalmente e apresentada ao Governo no início da Campanha Salarial;
10.  Constituição de um Fundo de Greve para ajudar na realização das atividades;
11.  Reivindicar da Condsef a anulação do acordo das horas no MTE por representar um ataque ao direito de greve e a aposentadoria, considerados como direitos constitucionais;
12.  Ingressar com uma ação contra o reajuste proposto pela GEAP com autorização individual dos servidores que queiram ser representados na ação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.