Atividades em Brasília iniciam luta em defesa dos serviços públicos e contra Reforma Administrativa

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Sob o governo Bolsonaro os serviços públicos vêm sofrendo um verdadeiro desmonte, que tem precarizado o atendimento para a população em várias áreas essenciais. O caos no INSS é um dos exemplos mais gritantes desta situação.

É para enfrentar esses ataques que o funcionalismo em todo o país começa a intensificar a mobilização para barrar a destruição dos serviços públicos no país.<--break- data-lazy-src=

O governo anunciou que encaminhará ao Congresso essa reforma nos próximos dias, em mais um brutal ataque.

O integrante da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas Paulo Barela participou das atividades e denunciou a gravidade do ataque do governo Bolsonaro, principalmente com a reforma administrativa, e chamou à unificação das lutas.

“A luta contra a reforma administrativa de Bolsonaro é a defesa dos serviços, das condições mínimas de atendimento à população pobre deste país”, afirmou Barela durante o ato nesta quarta-feira.

O dirigente também respondeu às calúnias de Paulo Guedes que chamou os servidores de parasitas. “Parasitas são banqueiros que usam Dívida Pública para enriquecer. São os latifundiários que destroem o meio ambiente e praticam o genocídio de indígenas. São os grandes empresários que exploram os trabalhadores e impõem medidas como a reforma Trabalhista que ataca direitos e aumentou o desemprego e a precarização. Parasita é o sistema capitalista”, afirmou.

Segundo Barela, para avançar a luta contra Bolsonaro e barrar seus ataques é preciso construir uma Frente Única da classe trabalhadora, unificando as centrais, os sindicatos e organizações populares. “Não há saída que não seja a luta e tem de ser agora. Não podemos esperar ou apostar no calendário eleitoral. Bolsonaro precisa ser derrotado nas ruas”, disse.

No ato político com parlamentares, centrais e organizações, Barela encaminhou uma moção de apoio à greve dos petroleiros, que foi aprovada pelo plenário por aclamação. 

“Lançamos nossa campanha, iniciamos o calendário de luta dos servidores públicos federais e seguiremos rumo à preparação do dia 18 de março, dia de mobilizações nacional do funcionalismo e setores da educação. Antes, no 8 de março, também nos incorporaremos à construção de um forte dia internacional de lutas das mulheres, e seguiremos em total apoio aos petroleiros em greve, aos trabalhadores dos Correios que também apontam paralisação para 3 de março. Precisamos unificar as lutas e avançar na construção de uma Greve Geral”, concluiu.

Confira os vídeos das atividades em Brasília

Intervenção de Paulo Barela, membro da CSP-Conlutas <Clique aqui> 

 

Fonte: CSP-Conlutas


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Cartão do Dia dos Aposentados

Feliz Dia dos Aposentados

O Sindsef-SP parabeniza os aposentados e as aposentadas pelo seu dia e reafirma seu compromisso na luta por paridade entre ativos, aposentados e pensionistas, pelo cumprimento do Estatuto do Idoso, contra os ataques à previdência e pela recomposição salarial.

Crítica: filme Noites de Paris

Nesta crítica, saiba sobre o filme Noites de Paris, que se passa em 1981. No ano de eleições, comemorações se espalham pelas ruas e há um ar de esperança e mudança.