Campanha Salarial Unificada se fortalece com a greve do Sinasefe

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

A base do Sinasefe (Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica) iniciou, nesta semana, o movimento paredista. A greve é a segunda que vem com toda a força para intensificar a Campanha Salarial Unificada 2014, em ritmo de mobilização para a marcha em Brasília, prevista para 07 de maio.

Os técnico-administrativos das universidades federais, organizados pela Fasubra (Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil) cruzaram os braços há mais de um mês em cerca de 40 instituições. O movimento continua firme, com calendário de atos nos hospitais universitários, contra a Empresa de Serviços Hospitalares (Ebserh).

A greve do Sinasefe já começou forte. Segundo a entidade, até o momento, 11 estados e cerca de 50 campi aderiram à paralisação. Em diversas instituições federais de ensino foram aprovados estados de greve, de mobilização e indicativos de adesão ao movimento nacional, e várias assembleias ainda estão por ocorrer em muitas Seções Sindicais.

Os grevistas da Fasubra e do Sinasefe vão realizar a caravana da educação, no dia 06 de maio, que também vai contar com a participação do Andes-SN (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior).  O objetivo da caravana, um dia antes da marcha de todos os segmentos do funcionalismo, é exigir a abertura de negociação por parte do governo.

 

Greve na base da Condsef

Os servidores dos órgãos federais também estão mobilizados. No mesmo dia da caravana da educação, vai acontecer o Conselho Deliberativo de Entidades (CDE) da Condsef (Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal) e, está garantida a participação do segmento na marcha em Brasília.

Nos estados, estão acontecendo assembleias para discutir os próximos passos da Campanha Salarial Unificada 2014 e reivindicações específicas. Fruto dos debates nos locais de trabalho, existe possibilidade da construção de greves, além de paralisações, em órgaos, entre eles, os vinculados ao Ministério da Cultura.

Em um encontro nacional, no dia 28 de março, os servidores da Cultura aprovaram indicativo para iniciar o movimento paredista a partir de 12 de maio. A categoria vai discutir isso também na plenária nacional marcada para o dia 08 de maio, das 14 às 18h, em Brasília.

 O Sindsef-SP vai fazer uma assembleia nesta próxima quarta-feira, 23 de abril, às 14h, no Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), para informar os servidores do Ministério da Cultura em São Paulo sobre o movimento nacional e debater a mobilização no estado.

 

 

Confira o nosso calendário de lutas atualizado:

28/04 – Dia Nacional em Memória às Vítimas de Acidentes de Trabalho

29/04 – Dia Nacional de Lutas com Paralisação / 6° Protesto Contra as Injustiças da Copa em São Paulo

01/05 – Dia do Trabalhador, com atos nos estados

06/05 – Caravana da Educação à Brasília / Conselho Deliberativo de Entidades da Condsef

07/05 – Paralisação de 48 horas nos órgãos e marcha em Brasília

08/05 – Plenária Nacional da Cultura, das 14 às 18h, em Brasília

12/05 – Indicativo de greve por tempo indeterminado dos servidores do MinC

 

 

Servidor, fique atento às convocatórias de assembleias e debates no seu local de trabalho, divulgados pelo Sindsef-SP por e-mail, murais e boca-a-boca!

Curta nossa página no Facebook:
https://www.facebook.com/pages/Sindsef-SP/306952765996246

 

Leia e compartilhe as informações!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Cartão do Dia dos Aposentados

Feliz Dia dos Aposentados

O Sindsef-SP parabeniza os aposentados e as aposentadas pelo seu dia e reafirma seu compromisso na luta por paridade entre ativos, aposentados e pensionistas, pelo cumprimento do Estatuto do Idoso, contra os ataques à previdência e pela recomposição salarial.

Crítica: filme Noites de Paris

Nesta crítica, saiba sobre o filme Noites de Paris, que se passa em 1981. No ano de eleições, comemorações se espalham pelas ruas e há um ar de esperança e mudança.