Comunidade quilombola é tema de exposição fotográfica

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Começa hoje, 07 de novembro a exposição fotográfica que traz registros de diferentes comunidades quilombolas do Estado de São Paulo, a partir dos arquivos dos fotógrafos Douglas Mansur e Dodora Teixeira.

A exposição é uma atividade conjunta do Sindsef-SP e da Assincra (Associação dos Servidores do INCRA ), em comemoração ao Dia da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro.

O evento ocorre na Superintendência do Incra, em São Paulo, e vai até 25 de novembro, das 9h às 15h.  O INCRA fica na Rua Dr. Brasílio Machado, nº 203, Santa Cecília.

A exposição fotográfica vai servir para levantar uma discussão sobre a atuação e as demandas das comunidades remanescentes de quilombos no Estado de São Paulo.

Para aprofundar o debate será realizada uma mesa-redonda  no dia 22  de novembro, terça-feira, às 14h, no auditório do órgão. Haverá a participação de lideranças quilombolas, além de pesquisadores e ativistas. O intuito é abrir espaços de discussão e reflexão para que os representantes apresentem seus desafios e participem ativamente da execução de seus direitos territoriais junto aos órgãos responsáveis.

Atualmente, a Superintendência do INCRA em São Paulo registra 50 processos administrativos de reconhecimento e titulação de comunidades remanescentes de quilombos no Estado. Estima-se que estas comunidades somem mais de 2000 famílias a serem atendidas. Por isso, as atividades propõem trazer ao conhecimento do público a voz, o cotidiano e as reivindicações de algumas comunidades quilombolas.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.