Contra a absurda e injustificada intervenção do Governo Federal no Ipen

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Durante o carnaval a comunidade cientifica foi surpreendida por portaria assinada pelo Ministro Marcos Pontes (MCTI), exonerando Wilson Calvo, do cargo de Diretor do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN).

Em assembleia virtual, convocada conjuntamente pelo Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Federal do Estado de São Paulo (SINDSEF-SP) e pela Associação dos Servidores do IPEN (ASSIPEN), realizada na tarde do dia 02/03, centenas de servidores demonstraram indignação e questionaram a motivação para tal exoneração.  

A atitude do Ministro Marcos Pontes, tomada à revelia dos diferentes atores que compõem o Conselho Superior do IPEN (Governo do Estado de São Paulo, USP, FIESP, CNEN), e em total desrespeito para com esta Instituição e seus servidores, ocorre na mesma semana em que anuncia que vai sair do governo para ser candidato a deputado federal, reforçando a tendência do governo Bolsonaro em adotar políticas que enfraquecem o setor de P&D, como os cortes recorrentes nos recursos e decisões arbitrárias.

Cabe ressaltar a importância do IPEN na pesquisa, desenvolvimento, produção e distribuição de radiofármacos para todo o Brasil. Este trabalho já sofreu interrupções no ano passado, devido ao corte de verbas federais (episódio amplamente divulgado pela mídia), prejudicando o diagnóstico e tratamento de milhares de pacientes no país. 

Esta medida equivocada e inexplicável do Ministro Marcos Pontes poderá novamente interferir no bom andamento das atividades do Instituto, que vem, apesar de todas as dificuldades enfrentadas, garantindo a produção e distribuição dos radiofármacos em todo o período da pandemia.

A medida foi duramente criticada pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Sociedade Brasileira de Biociências Nucleares (SBBN) e da Sociedade Brasileira de Física (SBF), entre outros, que pedem a imediata revisão desta exoneração. Nos quase 40 anos de existência do convênio entre o governo federal e o governo do estado de São Paulo, essa é a primeira vez que acontece uma atitude nesses moldes, demonstrando a gravidade da ação.

Para dar visibilidade à gestão desrespeitosa adotada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, os servidores do IPEN realizaram, no dia de hoje (03/03/22), um importante ato para expressar sua completa desaprovação ao que está sendo considerada uma “tentativa unilateral de intervenção do governo federal”, como classificou a nota de repúdio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo.

Os servidores e toda a comunidade científica esperam que o Ministro Marcos Pontes revogue esta exoneração e abra um debate com a comunidade e com o Conselho Superior do IPEN, quando poderá esclarecer os motivos que o levaram a tomar tal atitude, mas em um ambiente democrático, plural e saudável como devem ser os espaços para se tomar decisões desta magnitude.

Pela imediata revogação da exoneração de Wilson Calvo!

Que Marcos Pontes abra um debate democrático com a comunidade envolvida!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Cartão do Dia dos Aposentados

Feliz Dia dos Aposentados

O Sindsef-SP parabeniza os aposentados e as aposentadas pelo seu dia e reafirma seu compromisso na luta por paridade entre ativos, aposentados e pensionistas, pelo cumprimento do Estatuto do Idoso, contra os ataques à previdência e pela recomposição salarial.

Crítica: filme Noites de Paris

Nesta crítica, saiba sobre o filme Noites de Paris, que se passa em 1981. No ano de eleições, comemorações se espalham pelas ruas e há um ar de esperança e mudança.