Crescem as mobilizações para fortalecer o dia 11 de julho

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Os preparativos para o dia 11 de julho estão a todo vapor. O Sindsef-SP está convocando os servidores púbicos federais a saírem às ruas e protestarem junto com a população por mais investimentos nos serviços públicos. Nesta última semana, o sindicato participou de várias atividades com o objetivo de transformar o dia 11 em um expressivo dia de luta para os servidores públicos federais.

Os trabalhadores do DNIT estão fortemente mobilizados e a greve nacional já entra na terceira semana.  Em assembleias, servidores do Departamento Nacional de Produção Mineral – DNPM, da Fundacentro, do Ministério do Trabalho e Emprego – MTE e da Secretaria do Patrimônio da União – SPU aprovaram parar as atividades por 24 horas nesta quinta-feira, 11/07.

No dia 10 de julho ainda ocorrem assembleia no Ibama, no Incra  e no IPEN (Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares) para os trabalhadores definirem sobre a participação no dia luta.

A expectativa é que este seja um grande dia luta. “Um dos maiores já realizados neste país”, afirmou o membro da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas, Zé Maria de Almeida, durante a reunião da coordenação da central realizada entre 05 e 07 de julho.

Grande manifestação – Durante todo o dia 11 são esperados diversos pontos de protestos na capital paulista.  A CSP-Conlutas e demais centrais sindicais estão convocando uma grande manifestação conjunta na Avenida Paulista, com concentração a partir do meio dia no vão livre do MASP.

Pelo país – Durante a reunião da coordenação da CSP-Conlutas , informes dos representantes de diferentes categorias sinalizaram a adesão ao dia 11 com greves e mobilizações.  Por exemplo, os metroviários de São Paulo aprovaram em assembleia parar por 24 horas; os metalúrgicos de São José dos Campos (SP), devem paralisar pelo menos 15 fábricas da região; seguindo a mesma linha estão os trabalhadores da construção de sete sindicatos do Pará, Fortaleza (CE), Suape (PE), assim como os trabalhadores da mineração de Minas Gerais.

Também confirmaram participação os trabalhadores das esferas estaduais e municipais de diversos estados, além de profissionais da educação e da saúde, comerciários de Nova Iguaçu e interior do Rio Grande do Sul, trabalhadores de processamento de dados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, trabalhadores dos Correios de Pernambuco, petroleiros de Sergipe e Alagoas, rodoviários do Ceará e outras categorias.

O dia 11 de julho, Dia Nacional com Greves, Paralisações e mobilizações de rua está sendo organizado pelas principais Centrais Sindicais do país como CSP-Conlutas, Força Sindical, CUT,  CSB, UGT e CGTB.

A ANEL (Associação dos Estudantes Livres), o MPL (Movimento Passe Livre), o MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto), o MST (Movimento dos Sem-Terra) e o Luta Popular também fortalecerão o Dia Nacional de Luta.

Nossas reivindicaçãoes:

– Reduzir o preço e melhorar a qualidade dos transportes coletivos;

– Mais investimentos na saúde e educação pública;

– Fim do fator previdenciário e aumento das aposentadorias;

– Redução da jornada de trabalho;

– Fim dos leilões das reservas de petróleo;

– Contra o PL 4330, da terceirização;

– Reforma Agrária

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.