CSP-Conlutas e MML participam da “Marcha das Vadias”

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

No dia 26 de maio ocorreram manifestações da “Marcha das Vadias” em todo o Brasil. A CSP-Conlutas, juntamente com o Movimento Mulheres em Luta, esteve presente denunciando a violência sexual contra as mulheres!

A “Marcha das Vadias” iniciou-se no ano passado e teve origem com a slutwalk (caminhada das vadias) que ocorreu no Canadá em resposta à justificativa dada por um policial de que meninas de uma universidade estavam sendo estupradas porque se vestiam como “vadias”. As manifestações se organizaram sob o lema de que “se ser livre, é ser vadia, então somos todas vadias” e questiona a culpabilização das mulheres que sofrem com a violência sexual.

 

Basta de Violência contra as Mulheres!

 

No Brasil, a cada 2 minutos, 5 mulheres são espancadas; e a cada 12 segundos, uma mulher é estuprada. A violência sexual é uma realidade, um drama e um trauma para milhares de mulheres.

Neste ano, o país assistiu chocado ao caso de Queimadas, na Paraíba, em que um estupro coletivo tirou a vida de duas mulheres. A ação criminosa da polícia de São Paulo no Pinheirinho também utilizou a violência sexual e o estupro de duas moradoras do bairro vizinho foi denunciado no Ministério Público.

Os dados podem ser maiores, porque muitas mulheres não denunciam. Isso acontece porque a maior parte das delegacias em todo o país não possui atendimento especializado às mulheres que passam por esse tipo de violência. Além disso, é muito recorrente que a responsabilidade por essa violência seja atribuída à mulher, como se ela tivesse dado condições para algum estuprador. Estamos na Marcha das Vadias para dizermos que as mulheres não são culpadas e sim vítimas.

 

Para as mulheres trabalhadoras: machismo e exploração

 

As mulheres que mais sofrem com a violência sexual são as mulheres trabalhadoras, que andam de transporte público, em ruas escuras, sem iluminação, precisam sair de casa de madrugada para trabalhar ou voltam muito tarde do trabalho.

Também são as mulheres trabalhadoras as que mais sofrem com a falta de amparo social do Estado, pois os casos de violência demandam acompanhamento médico, psicológico e social que o Estado não garante.

 

Dilma: exigimos mais recursos para aplicação e ampliação da Lei Maria da Penha!

 

A lei 11.340/2006 significou avanços importantes no reconhecimento jurídico de que a violência contra a mulher merece atenção e penas especiais. Assim, pôde configurar-se um instrumento importante para ajudar milhares de mulheres que sofrem com a violência. A Lei prevê a criação de Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, a implementação de atendimento policial especializado nas Delegacias de Atendimento à Mulher e a criação de Casas Abrigo.

No entanto, 5 anos após sua aprovação, existem apenas 48 Juizados e Varas com competência exclusiva para aplicação da Lei Maria da Penha em todo o país e apenas 55 novas delegacias foram inauguradas. De 2007 para cá, o número de Casas Abrigo foi de 65 para 72, em todo o Brasil.

Segundo pesquisa do Instituto Avon, 52% dos entrevistados acham que juízes e policiais desqualificam o problema da violência contra a mulher. No que concerne à violência sexual, a denúncia é ainda mais reprimida pela atribuição de culpa às mulheres que sofrem violência.

Hoje, podemos dizer que a Lei Maria da Penha não vem sendo aplicada. Cresceram as denúncias, mas deixaram de crescer os problemas, pois as punições aos agressores e o amparo social ainda são pouco significativos em relação ao problema social que a violência contra a mulher significa.

A Secretaria de Políticas para Mulheres definiu a destinação de 36 milhões de seu orçamento de 2011 para ser aplicado em programas de combate à violência. No entanto, apenas metade desse dinheiro foi realmente utilizado. O orçamento da saúde, cuja ampliação pode incidir no amparo às vítimas de violência sexual, sofreu o maior corte em 2012: 5 bilhões de reais. Para o pagamento da dívida pública – que vai para o bolso dos banqueiros – o governo de Dilma destinou 49% do orçamento da União, o que significa 954 bilhões de reais!

 

Chega de Sufoco! Basta de Violência!

 

Pegar o ônibus, metrô ou trem lotado todos os dias é um sofrimento! As grandes capitais do país revelam que a situação do transporte público brasileiro é um caos. As mulheres ficam submetidas ao assédio sexual dos homens que se aproveitam do aperto para abusar sexualmente das mulheres. Desde encostar a mão na bunda, chegando até os casos de estupro. No metrô de São Paulo, só em 2011, ocorreram mais de 50 casos e na CPTM (linha de trens) foram 43.

O Movimento Mulheres em Luta esteve ao lado do Sindicato dos Metroviários de São Paulo numa campanha para combater a violência sexual contra as mulheres no metrô. Parte dessa campanha é exigir que o metrô faça uma campanha de conscientização contra a violência e o assédio sexual e uma campanha de incentivo para que as mulheres denunciem.

 

Violência contra as mulheres não é piada!

 

Em um quadro do Programa Zorra Total, infelizmente, essa triste realidade é tratada como piada. O Sindicato dos Metroviários entregou uma carta à emissora exigindo que o quadro fosse alterado.

 

Setorial de Mulheres da CSP Conlutas

Movimento Mulheres em Luta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.