Dia Internacional do Orgulho LGBT contará com ato no Largo do Arouche

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Nesta próxima sexta-feira, 28 de junho, é o Dia Internacional do Orgulho LGBT. Será realizada uma manifestação a partir das 19h no Largo do Arouche. A atividade dará início ao I Encontro LGBT da CSP-Conlutas.

O setorial LGBT da Central defende a retomada do sentido da data histórica que tem como ideia fundamental a luta contra a homofobia. Surgiu em 28 de junho de 1969, num bar chamado Stonewall Inn, em Nova Iorque, quando milhares de lésbicas, gays e travestis, revoltaram-se contra as constantes agressões policiais e à máfia que controlava os bares gays (que eram proibidos), resolveram resistir a uma “batida”, organizaram barricadas e enfrentaram a repressão por três noites seguidas.

Em 2013, o combate à homofobia se fortalece com os protestos contra o aumento da passagem, iniciados neste mês de junho de 2013. Milhares de brasileiros despertaram para se somar à luta daqueles que há tempos ocupam as ruas e enfrentam a repressão dos governos.

De um lado, mais de 1 milhão de pessoas saem às ruas, refletindo o crescimento do processo de lutas no país; do outro,os ataques a classe trabalhadora e aos seus setores mais oprimidos continuam. Na mesma semana em que o Brasil foi tomado por manifestações, o projeto conhecido como “cura gay” foi aprovado na Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDH) da Câmara Federal, com o deputado machista, racista e homofóbico Marcos Feliciano (PSC – SP) à frente dessa barbaridade.

O 28 de junho é o dia de dizer basta de intolerância, de ignorância e de preconceito, não ao projeto “cura gay”, em defesa da criminalização da homofobia e a pela saída imediata de Marco Feliciano da CDH da Câmara.

É preciso mostrar para a bancada homofóbica que os LGBTs têm orgulho, não tem doença!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.