Dilma sanciona lei que cria Funpresp

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

 

O Diário Oficial da União publicou na edição de hoje (02), a lei 12.618/12, que institui a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal (Funpresp). A lei foi sancionada pela presidente Dilma Rousseff na segunda-feira (30).

Pela lei, para ganhar além do atual teto previdenciário, o servidor precisará aderir ao fundo, fazendo a contribuição obrigatória de 11% sobre o teto pago pelo INSS e outra para o fundo com a quantia que desejar. De acordo com o texto, o servidor terá de contribuir com o mínimo de 7,5% do salário, enquanto o governo contribuirá com o percentual máximo de 8,5%.

De acordo com Paulo Barella, membro da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas, “o governo pretende criar essa fundação de aposentadoria complementar privada para aquecer o mercado de capitais, investindo recursos dos servidores em grandes empresas, e remunerar com altos lucros os banqueiros e financeira, através de quantias vultosas que serão depositadas nestas instituições capitalistas”.

A nova regra não vale para os atuais servidores. A mudança só vale para os servidores nomeados a partir da sanção da lei. Entretanto, estes também poderão optar pela permanência no regime de aposentadoria integral ou pelo regime de previdência complementar O texto da nova lei foi votado no Congresso no mês passado.

Com informações da Agência Brasil

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.