Equipe do Sindsef-SP se reúne com representantes da GEAP

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram


A GEAP está em um momento de captação de assistidos e procurou o Sindsef-SP para apoiá-la nesta empreitada. Até o dia 04 de fevereiro, os servidores que migrarem para o convênio estarão isentos de carência. O sindicato, porém, chamou atenção para que a GEAP tome iniciativas para reconquistar sua credibilidade. A reunião aconteceu na sexta-feira, 17/01.

Segundo o gerente regional de São Paulo, Roberto Godinho, a GEAP sofreu um processo de intervenção que culminou na cisão da área de previdência com a saúde, somando a fundação à PREVI. “Hoje a GEAP não é mais uma fundação de seguridade social, porque a razão social mudou para ‘GEAP- Autogestão e Saúde’”, explicou.

Ao encerrar o processo mencionado, foi nomeada uma diretoria executiva temporária e um conselho, ambos com mandato de 6 meses, iniciados em outubro e que terminam em abril. No mesmo período, foi publicado um decreto criando o convênio único, vinculado ao Ministério de Planejamento. O convênio único tem um modelo de adesão que permite qualquer órgão migrar para a GEAP.

Agora, quem optar pela adesão à GEAP até o dia 04 de fevereiro e for de um plano coletivo de autogestão (um plano do órgão público), sendo do mesmo nível ou superior, não paga carência. Por exemplo, se o plano da Secretaria da Fazenda não cobria cirurgia de miopia e o da GEAP cobre, o servidor vai pagar a carência apenas deste serviço.

Godinho falou da superação das dívidas da instituição e que este é o melhor momento para os servidores migrarem para o plano. Ao final, questionou se o Sindsef-SP apoia a GEAP, contribuindo neste sentido.

Nesse momento, a advogada, Drª Jorgiana Lozano, ressaltou que para que a GEAP reconquiste sua credibilidade, tanto com o sindicato como com os assistidos, deve começar cumprindo a liminar que o sindicato ganhou na justiça para que não seja aplicado o aumento abusivo do valor dos planos.

Além disso, a advogada relatou a insatisfação dos servidores em relação à troca ou falta de médicos, como no município de Registro, onde a equipe do sindicato verificou que o único hospital não atende todas as especialidades. O sindicato propôs que a GEAP faça convênio diretamente com os médicos da região.

O secretário de assuntos jurídicos do Sindsef-SP e servidor do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), Pedro Paulino, mencionou que “a maioria dos trabalhadores do serviço público federal pretende migrar para a GEAP. Isso ficou evidente durante o debate no Congresso da Condsef”. Mas, há exceções que precisam ser discutidas com os trabalhadores, avaliando as vantagens e desvantagens da mudança de plano de saúde. 

Do Sindsef, além de Pedro Paulino e a Drª Jorgiana, também participaram da reunião os diretores Antônio Carlos Leal (servidor do MTE) e Bernadete Serafim (servidora do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares). 

 

Legenda da foto: Ato Contra o Desmonte da GEAP, realizado em maio de 2013 pelo Sindsef-SP em parceria com o Sinsprev.

 

*Por Lara Tapety
Imprensa/Sindsef-SP 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.