Escandaloso: Juíza aplica multa de R$50.000 por dia ao MTST!

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

A Juíza Bárbara Carola Cardoso de Almeida, da Segunda Vara de Embu das Artes, acrescentou mais uma decisão absurda e ofensiva aos movimentos sociais à lista do Judiciário brasileiro.

Em sentença publica no último dia 7 de maio, esta senhora definiu pela proibição da construção de moradias na área atualmente ocupada pelo MTST, onde está instalado o Acampamento Novo Pinheirinho de Embu. Esta decisão já era esperada, dada a parcialidade e falta de bom senso com que a juíza conduziu o processo desde 2006. Espera-se que o Tribunal de Justiça corrija tal decisão.

Decisão marcada por parcialidade, a tal ponto que a própria CDHU, proprietária do terreno, entrou com ação na Corregedoria do Judiciário contra esta senhora. Além disso, há o curioso fato de que a escrevente da Vara comandada pela juíza, Aurora Hodnik, é irmã da autora da ação que propõe o impedimento da construção, Maria Isabel Hodnik, que representa um setor elitista da região que se traveste de ambientalista.

Como se não bastasse a decisão sobre a construção no terreno, a juíza determinou que o MTST, que ocupa a área desde 2 de março, deve pagar uma multa diária de R$50.000 enquanto a ocupação persistir. Determinou ainda abertura de ação criminal contra coordenadores do Movimento.

Isso mesmo: R$50.000 ao dia. Será que esta senhora teria o mesmo rigor para julgar os reais desmatadores? Os beneficiários do Novo Código Florestal? As grandes empresas que poluem e dostroem?

Estamos diante de um caso absurdo de criminalização dos movimentos sociais e tentativa de intimidação pela toga. O MTST não se curvará, nem deixará de lutar por ações desta natureza.

Fonte: MTST

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Curtas Jornadas Noite Adentro

Vale a pena conferir o longa Curtas Jornadas Noite Adentro, de Thiago B. Mendonça, que estará disponível na plataforma on-line do Sesc até 25.02.2023.

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.