Exemplo da política habitacional de São Paulo

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Diretora da secretaria municipal de Habitação de São Paulo, Maria Cecília Sampaio, afirma que para ser cidadão na capital paulista, é preciso pagar. Ela dirige a Habinorte, uma das regionais daquela secretaria, e deu as declarações durante reunião de trabalho com moradores da Favela do Coruja, na Zona Norte da capital paulista.
“Pra morar nesta cidade, pra ser cidadão em São Paulo, que é a terceira maior cidade do mundo, tem que trabalhar, tem que ter um custo e tem que ter condição de pagar. É o preço que se paga pra morar numa cidade como essa.” E avisa: “Neste terreno a gente pretende começar um processo de desapropriação.”
Em sua fala, Maria Cecília ainda “aconselha” os pobres que a ouviam a procurar cidades menores “para poder aguentar.”
A reunião com a representante do prefeito Gilberto Kassab (PSD) teve a presença de cerca de 25 moradores do Coruja e aconteceu na subprefeitura da Vila Maria e da Vila Guilherme, bairros da zona norte da cidade. No encontro também estava o chefe do gabinete da subprefeitura Josué Filemom.
Em fevereiro, um incêndio atingiu a comunidade e deixou mais de 60 famílias desabrigadas. A prefeitura decidiu, porém, que outras 40 famílias também terão de deixar o local, apesar de não terem tido suas casas atingidas pelo fogo.
Na terça-feira, 13/03, o promotor de habitação do Ministério Público Estadual Maurício Lopes se encontrou com representantes da secretaria paulistana de habitação para discutir o futuro das famílias daquela comunidade.
A prefeitura ofereceu aos moradores inscrição no programa Parceria Social – um auxílio-aluguel de R$ 300 e afirma que estuda um projeto habitacional para a comunidade.
Reportagem de Leandro Melito, da Rádio Brasil Atual

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

PGFN: Política de Reajuste Zero do governo Lula desafia servidores

O Sindsef-SP realizou assembleia com os servidores administrativos da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), no dia 21/02. Luís Genova, Secretário Geral da entidade, avaliou que na política econômica do governo Lula, o que se destaca é a amarga realidade de um reajuste zero para os servidores públicos.