Fora Eduardo de Azeredo Costa, presidente da Fundacentro

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram
O Sindsef-SP organizou um protesto em que os servidores da FUNDACENTRO exigiram a exoneração do presidente da instituição, Eduardo de Azeredo Costa. A manifestação correu na tarde de 20 de outubro. Uma das faixas colocadas na frente do órgão trazia a seguinte frase: “Para que a FUNDACENTRO volte a cumprir o seu papel. FORA Eduardo de Azeredo Costa!”.
A FUNDACENTRO atua, há 45 anos, na área de prevenção de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho. 
No entanto, o velho ditado “casa de ferreiro espeto de pau” cai muito bem para a situação hoje instalada na instituição, onde um clima opressor e ditatorial impera.
Os trabalhadores não toleram mais a falta de respeito com o trabalho técnico, as perseguições e o assédio moral, marcas da atual gestão.
Enquanto os recursos da entidade são gastos com projetos desvinculados das atividades fim, como o desconhecido projeto “Tá na Rua”, os técnicos ficam impedidos de realizar seu trabalho por falta de verba para pagamento de passagens e diárias. Muitas vezes as atividades têm
sido custeadas pelas instituições parceiras ou até mesmo pelos próprios servidores, para que a instituição não perca credibilidade e tenha a sua imagem manchada.
Um dos servidores presentes desabafou que “nunca esta casa esteve tão mal administrada”.
Carlos Daniel, servidor do Ibama e dirigente do Sindsef-SP, esclareceu que o Sindicato não tem proposta e nem compromisso com a indicação de nenhum nome para substituir o atual presidente. O interesse do Sindsef-SP é que o gestor que venha a ser nomeado esteja comprometido com os trabalhadores, com os objetivos fins da instituição e com a coisa pública. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Cartão do Dia dos Aposentados

Feliz Dia dos Aposentados

O Sindsef-SP parabeniza os aposentados e as aposentadas pelo seu dia e reafirma seu compromisso na luta por paridade entre ativos, aposentados e pensionistas, pelo cumprimento do Estatuto do Idoso, contra os ataques à previdência e pela recomposição salarial.

Crítica: filme Noites de Paris

Nesta crítica, saiba sobre o filme Noites de Paris, que se passa em 1981. No ano de eleições, comemorações se espalham pelas ruas e há um ar de esperança e mudança.