Greve da Cultura continua firme e museus devem ficar fechados na copa

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Os grevistas do Ministério da Cultura e vinculadas já deixaram claro que se o governo não promover negociações concretas os museus não funcionarão durante a copa do mundo de futebol. A greve nacional começou há 24 dias e não tem data para acabar.

A estratégia adotada pela equipe de Dilma e seus aliados aposta na intimidação para desarticular o movimento. Depois da ameaça do corte de ponto, o passo seguinte foi apelar para o Superior Tribunal de Justiça (STJ), que determinou o fim do movimento paredista. O ministro Napoleão Nunes estabeleceu que os sindicatos representantes dos trabalhadores do setor sejam multados caso a paralisação continue.

A greve paralisa parcial ou totalmente museus, bibliotecas e parques espalhados pelo país. Segundo informação da Condaef , a greve atinge 11 estados, entre eles Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Paraíba, Ceará, além do Distrito Federal. 

No Rio, quase 100% dos museus ligados ao Ministério da Cultura estão fechados. Entre eles: Paço Imperial, Museu Nacional de Belas Artes, Museu Histórico Nacional, Museu da Republica, Museu de Villa Lobos, Casa de Benjamin Constant, Museu de Arqueologia de Itaipu, Museu de Arte Sacra de Paraty e Museu Imperial de Petrópolis. Além do Iphan, Funart, Ibram e da Biblioteca Nacional.

Já em São Paulo, o movimento paralisa o Iphan e a Fundação Palmares. Na Cinemateca Brasileira os servidores aprovaram um calendário que prevê paralisações de 24 horas uma vez por semana.

Com informações da Condsef e Folha de São Paulo

Leia também 

STJ determina fim da greve de servidores da Cultura

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.