Greve na Cultura começa dia 12/05

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Os servidores do Ministério da Cultura (Minc) e autarquias vinculadas – IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), IBRAM (Instituto Brasileiro de Museus), FUNARTE (Fundação Nacional de Artes), Biblioteca Nacional, CINEMATECA BRASILEIRA e MUSEU LASAR SEGALL – entram em greve por tempo indeterminado no dia 12/05, segunda-feira.

O objetivo é resgatar a pauta histórica da categoria, com destaque para um plano de recomposição salarial tomando como referência a tabela da ANCINE, para a aplicação da “retribuição por titulação” e por um plano de “racionalização dos cargos”. Isso é importante porque se estima que os baixos salários da pasta sejam a causa da evasão de 55% dos novos concursados.  Outro eixo principal é a garantia da paridade entre ativos, aposentados e pensionistas.

Em assembleia realizada no dia 05 de maio, os servidores de São Paulo aprovaram aderir ao movimento nacional. No dia 12, às 14h, ocorre na Cinemateca uma nova assembleia para avaliar os rumos do movimento.

A paralisação também vai dar visibilidade ao estado de calamidade que se encontra a cultura brasileira. Os servidores pretendem fazer protestos nos museus, bibliotecas e acervos, mostrando aos turistas estrangeiros que, no país da Copa do Mundo, a cultura é colocada de escanteio.

Desvalorização da Cultura – A desvalorização da cultura se traduz na Biblioteca Nacional literalmente caindo aos pedaços, nos museus em situação precária, nos acervos mal conservados, e ainda, na má remuneração dos funcionários, na crescente terceirização e no aumento dos servidores temporários.

Essa situação ocorre porque não é dada a devida importância ao setor por parte do governo, que destina apenas 0,6% de seu orçamento para o MinC, enquanto gasta quase 45% da arrecadação para o pagamento de juros e amortizações das dívidas interna e externa, segundo a Auditoria Cidadã da Dívida.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.