Greve no DNIT chega ao 22º dia

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

 

Os servidores do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (Dnit) estão em greve por tempo indeterminado desde o dia 25 de junho. A reestruturação do órgão e a equiparação salarial com agências reguladoras estão entre as principais reivindicações.
O movimento atinge todos os estados e conta com a participação massiva dos servidores. Em São Paulo, a paralisação afeta obras do Trecho Norte do Rodoanel, Hidrovia Tietê – Paraná e Transposição Ferroviária de Araraquara.

O Dnit é responsável pela construção, manutenção, restauração, duplicação e sinalização de rodovias, portos e hidrovias. Com o surgimento do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) os trabalhadores passaram a administrar projetos que valem bilhões. Porém, apesar da importância e da responsabilidade da autarquia não há investimentos em infraestrutura e nem em valorização dos servidores.

Até o momento o governo se mostrou inflexível e voltou a afirmar que não pode ir além do que foi negociado em 2012 com os demais setores do funcionalismo. No entanto, este argumento ignora dois importantes fatores: Primeiro às negociações com o governo se arrastam desde 2008 sem nenhum avanço; e segundo, os servidores do DNIT não aderiram à greve realizada pelos SPFs em 2012, pois apostaram que o MPOG finalmente apresentaria uma proposta que atendesse suas principais reivindicações.

Na tentativa de enfraquecer o movimento, o governo recorreu à justiça e conseguiu uma medida cautelar no Superior Tribunal de Justiça (STJ) exigindo o retorno de 50% dos trabalhadores para executar serviços considerados essenciais.

Mesmo com o retorno de uma parte dos servidores ao trabalho, a greve continua forte em todo o país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.