Greve no DNIT continua com força total

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Os servidores do DNIT estão em greve nacional em busca da equiparação salarial com as agências reguladoras, pela reestruturação do órgão e pela realização de concursos que solucione a falta de mão de obra. A paralisação começou em 25 de junho e permanece forte, mesmo após os ataques do governo.

Nesta sexta-feira, 09 de agosto, ocorre uma nova reunião com representantes do MPOG e do Comando Nacional de Greve. Espera-se que, desta vez, o governo responda de forma efetiva a contraproposta protocolada pelos grevistas.

A paralisação atinge todos os estados e o Distrito Federal. Em 06 de agosto, representantes dos trabalhadores voltaram a recusar o índice de 15,8% oferecido pelo Planejamento.  O Secretário de Relações do Trabalho, Sérgio Mendonça, levou pela quinta vez a mesma proposta à mesa de negociação.

Como se vê, o governo tenta vencer o movimento pelo cansaço. Ao invés de negociar, manda cortar o salário dos servidores. Mas uma importante vitória jurídica deu mais ânimo aos grevistas: O corte de ponto foi suspenso nos tribunais de São Paulo, Sergipe e também no Distrito Federal.

Com a greve inúmeras obras encontram-se comprometidas. Apesar dos esforços do governo, hoje, 09/08, os grevistas completam 46 dias de paralisação e seguem forte na luta pelo atendimento de suas demandas.

A greve continua.

Foto: Site Pró DNIT, servidores em ato píblico em Brasília

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Cartão do Dia dos Aposentados

Feliz Dia dos Aposentados

O Sindsef-SP parabeniza os aposentados e as aposentadas pelo seu dia e reafirma seu compromisso na luta por paridade entre ativos, aposentados e pensionistas, pelo cumprimento do Estatuto do Idoso, contra os ataques à previdência e pela recomposição salarial.

Crítica: filme Noites de Paris

Nesta crítica, saiba sobre o filme Noites de Paris, que se passa em 1981. No ano de eleições, comemorações se espalham pelas ruas e há um ar de esperança e mudança.