GT Negras e Negros

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram


21 de março

Dia Internacional de Luta pela Eliminação
da Discriminação Racial e Combate ao Racismo.

A data foi instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU) em memória ao Massacre de Shaperville, ocorrido em 21 de março de 1960, quando milhares de pessoas protestavam contra a Lei do Passe, que o obrigava negras e negros a portar cartões de identificação, especificando os locais por onde eles podiam circular.
A manifestação foi duramente reprimida, entrando para a história como “O Massacre de Shaperville”, depois  que 69 jovens terem sido executados com rajadas de metralhadoras. Outras 200 pessoas ficaram feridas.

Mas a luta não foi em vão. De imediato, a mobilização internacional de solidariedade obrigou a ONU a decretar, a partir de 1965, o dia “21 de Março” como “Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial”. Nos anos seguintes, a data se transformou numa das principais referências da luta antiapartheid, mundo afora.

Obama o Primeiro presidente Negro dos EUA
O mito do presidente negro, que iria acabar com a desigualdade racial e social caiu por terra entre brancos,  negros e latinos, nos Estados Unidos. O impacto da crise econômica aumentou as demissões, milhares de trabalhadores, que financiaram suas casas próprias, perderam para os Bancos seus imóveis hipotecados. O governo criou leis para restringir imigrantes e, não garantiu nenhuma mudança estrutural e social para por fim ao racismo nos EUA e acabar com mazelas, como desemprego, miséria e fome.
Apesar de negro, Obama é um agente do sistema imperialista. Caso contrário, não estaria liderando e ocupando militarmente tantos países.

No Brasil
Em 2010, o governo comemorou a aprovação de um estatuto da Igualdade Racial esvaziado de suas propostas fundamentais. Sem as cotas para negros nas universidades, nos partidos e nos serviços públicos. Excluindo a garantia de direitos à titulação das terras quilombolas e indígenas. E sem a garantia de liberdade de prática das religiões de matrizes africanas.
O estatuto aprovado é considerado, pelos movimentos, um retrocesso a todos os avanços que se buscou conquistar ao longo dos anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Curtas Jornadas Noite Adentro

Vale a pena conferir o longa Curtas Jornadas Noite Adentro, de Thiago B. Mendonça, que estará disponível na plataforma on-line do Sesc até 25.02.2023.

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.