Espetáculo teatral INFÂNCIA

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

INFÂNCIA é um monólogo protagonizado pelo ator Ney Piacentini, acompanhado pelo contrabaixista Alexandre Rosa. Trata-se de uma  transcrição cênica e musical do livro homônimo de mesmo nome de autoria do escritor Graciliano Ramos.

Foto: Divulgação site rodateatro

O espetáculo presencial e gratuito está em São Paulo, no Auditório da Biblioteca Mário de Andrade, com exibições nas próximas segundas-feiras, dias 23 e 30 de janeiro, sempre às 19h. Os ingressos estarão disponíveis na recepção do local a partir das 18h.

Na autobiografia (1945), Graciliano recorda sua meninice até a puberdade, discorrendo sobre as dificuldades que vivenciou nesse período e o árduo percurso para chegar ao mundo das letras e da literatura.

Idealizada e produzida pelo grupo rodateatro, a peça já foi apresentada em cidades de Minas Gerais, Pernambuco, Alagoas, Paraná, em Aracaju, Salvador e no Teatro Municipal de São Paulo.

Ney Piacentini

Ney possui 43 anos de teatro com mais de 65 espetáculos em sua reconhecida trajetória. Tem Pós-Doutorado no Instituto de Artes da UNESP. É integrante da Companhia do Latão desde a sua fundação em 1997. Em 2016 foi Indicado ao Prêmio de Melhor Ator pela APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) por seu solo ESPELHOS e estreou INFÂNCIA em 2021. 

Alexandre Rosa

Alexandre é doutor em música-performance pelo Instituto de Artes da Unesp e formado em música-instrumento pela Escola de Comunicações e Artes da USP. Atualmente é músico da OSESP (Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo).

Serviço:

INFÂNCIA

Local: Auditório da Biblioteca Mário de Andrade

Endereço: R. da Consolação, 94 – República, São Paulo.

Data/horário: Às 19 horas das segundas-feiras, dias 23 e 30 de janeiro de 2023

Duração: 60 minutos

Entrada gratuita com ingressos distribuídos 1 hora antes

Teaser

*Texto produzido com contribuição de Luiz Gonzaga Fernandes e informações de SP Escola de Teatro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.