Inundação na Biblioteca Nacional danifica obras e jornais

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

 

Na última quarta-feira (02) uma inundação na sede da Fundação Biblioteca Nacional (FBN) causou sérios danos ao acervo da instituição. Uma tubulação de ar condicionado se rompeu no quarto dos seis andares que compõem o armazém de periódicos, onde são guardados mais de cinco milhões de peças.

De acordo com o jornal O Globo, obras da primeira metade do século XX foram atingidas, jornais ficaram completamente encharcados e as goteiras chegaram até o setor de manuscritos. A direção da biblioteca, no entanto, diz que nenhum manuscrito foi danificado. Segundo funcionários que estiveram no local, ainda não se pode dizer o tamanho do problema devido à quantidade de água que se espalhou.

A biblioteca passou por outro incidente que nunca se tornou público. No início de abril, outra inundação, esta na hemeroteca do prédio anexo, na Praça Mauá, atingiu 48 volumes de arquivo, cada um com 30 exemplares de jornais, alguns raros. Hoje, teme-se que o estado das instalações dos prédios da FBN possa causar novos acidentes.

A Associação dos Servidores da FBN divulgou nota em que discorda da posição da instituição quanto à gravidade da inundação: “A FBN agiu com celeridade para solucionar vazamento e iniciar o processo de recuperação do acervo atingido. Mas esclarece que, diferentemente das informações da FBN, ainda não é possível mensurar os danos.  A recuperação dos volumes pode levar muito tempo e a consulta aos originais está suspensa por tempo indeterminado. Os exemplares atingidos ainda não estavam, em sua maioria, microfilmados”.

 

Com informaçãoes do jornal O Globo

 




 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.