Justiça suspende reintegração de posse do Pinheirinho

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Uma liminar emitida na madrugada desta terça-feira (17) pela Justiça Federal suspendeu temporariamente a reintegração de posse da ocupação Pinheirinho, em São José dos Campos, interior de São Paulo. A medida representa uma importante vitória para todos os moradores do Pinheirinho.

Quando a suspensão foi concedida, todos os acessos ao terreno já estavam fechados pela Polícia Militar. Cerca de 1.800 policiais, incluindo homens da tropa de Choque cercavam a área, prontos para agir, enquanto os moradores mantinham-se prontos para resistir à repressão policial.

O advogado do movimento, Antônio Donizete Ferreira, o Toninho, convocou uma reunião e informou a ordem da justiça. Assim que a informação sobre a decisão da juíza Roberta Monza Chiari chegou aos moradores, o clima de tensão se transformou numa grande festa, com fogos de artifício, palavras de ordem, bandeiraço, abraços e muitas lágrimas de alegria.

O momento de euforia com a notícia de que não haveria reintegração de posse pode ser ouvido aqui.

 

LUTA

Durante toda a madrugada, moradores mantiveram-se acordados a espera da ordem de desocupação. Se a ordem de despejo fosse cumprida, os sem-teto estavam dispostos a enfrentar a PM, havendo, portanto, graves riscos de pessoas – inclusive crianças, mulheres e idosos, saírem feridas.

Para se defenderem de possíveis bombas de gás e balas de borracha da PM, os moradores se protegiam usando partes de tambores como escudo, coletes de compensado, caneleiras de PVC e capacetes.

Esta é uma luta que, em fevereiro, completa oito anos. Em 2004, uma área abandonada de 1,3 milhão de m2, de propriedade do megaespeculador Naji Nahas, foi ocupada por famílias sem-teto, que hoje já somam quase 9 mil moradores.

“Foi uma vitória da luta, da união dos moradores. Daqui pra frente, o povo do Pinheirinho ganha ainda mais força para continuar resistindo e lutando contra a irresponsabilidade da juíza Márcia Loureiro e da Prefeitura de São José Campos, que tentaram até o último minuto expulsar os moradores de suas casas”, afirma o coordenador da Ocupação, Valdir Martins, o Marrom.

“O Pinheirinho é nosso” era o grito de ordem dos moradores da ocupação que tomaram conta das ruas da cidade para comemorar. “A festa do povo trabalhador é a festa do Pinheirinho”, dizia Toninho.

Um ato-show de solidariedade vai comemorar a vitória dos moradores, nesta terça-feira, (17), às 18h, dentro da Ocupação do Pinheirinho. O show será com a cantora de rap Lurdes da Luz.

 

Vencemos uma batalha, mas a guerra continua – O membro da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas, Luiz Carlos Prates, o Mancha, ressalta que a luta continua. “O momento é de grande festa, a batalha foi ganha, mas a guerra continua, pois agora a pressão deve continuar para que o prefeito da cidade Eduardo Cury tome as medidas necessárias para a regularização do terreno”.

A CSP-Conlutas esteve presente com os moradores da Ocupação Pinheirinho e continuará lutando ao lado desses trabalhadores e trabalhadoras para que seja garantido o direto à moradia.

 

Com informações do Blog http://solidariedadepinheirinho.blogspot.com, SindmetalSJC e CSP-Conlutas

Foto: Nelson Antoine/Fotoarena/AE

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Curtas Jornadas Noite Adentro

Vale a pena conferir o longa Curtas Jornadas Noite Adentro, de Thiago B. Mendonça, que estará disponível na plataforma on-line do Sesc até 25.02.2023.

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.