Metroviários de SP aceitam proposta e encerram greve

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

 

Os metroviários de São Paulo encerraram a greve desta quarta-feira (23) após recuo da direção do Metrô e do governo Alckmin, que aceitaram ampliar vários itens negados até a última negociação. Foi a primeira grande greve da categoria desde 2007.

Uma assembleia com mais de mil pessoas foi realizada no começo da tarde. Foi apresentada aos metroviários a proposta feita durante a audiência de conciliação realizada no TRT (Tribunal Regional do Trabalho). Cerca de 80% dos trabalhadores aprovaram os itens da pauta e decidiram pelo fim da greve.

A proposta trouxe alguns importantes avanços, dentre eles o reajuste de 6,17%, o que equivale a 1,94% de aumento real, vale-refeição de R$ 23,00, vale alimentação de R$ 218,00, pagamento de um adicional de risco de vida de 15%, esse último considerado um avanço significativo, pois o adicional era de 10%. Além disso, não será descontado o dia de greve dos metroviários.

O presidente do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, Altino Prazeres, enfatizou que houve progresso, mas não o ideal, ainda assim, representa uma conquista para a categoria, que mostrou a força de sua mobilização.

 

A greve desmascara Geraldo Alckmin (PSDB)

Em nenhum momento o governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) se preocupou com a população. Os metroviários propuseram o desafio de liberar as catracas para que  os paulistanos não fossem prejudicados, entretanto, a proposta não foi aceita. Ao invés disso, Alckmin colocou em funcionamento o sistema do Paese (Plano de Atendimento de Empresas em Transporte de Atendimento de Emergência), com ônibus rodando de graça, mas isso não resolveu o problema e só aumentou o caos nas ruas de São Paulo.

O metrô poderia ter rodado sem cobrar, evitando os congestionamentos e o transtorno. Mas Alckmin preferiu enfrentar a categoria e tentou jogar a população contra os metroviários.

Se realmente houvesse a preocupação com a população, o governo teria aceitado o desafio dos metroviários, mas preferiu manter a sua postura autoritária.

 

O verdadeiro culpado por São Paulo parar é o governador

Mesmo diante da ofensiva do governo de tentar jogar a população contra os metroviários, esses trabalhadores mostraram com a proposta de catraca livre, que o verdadeiro culpado é o governador, que além de recusar o desafio, não apresentou nenhuma proposta de melhorias no transporte e muito menos melhorias nas condições de trabalho desses trabalhadores.

Todos os dias a população enfrenta as péssimas condições no transporte público, a superlotação, os acidentes nas linhas de metrô de trem, a lentidão nos serviços, o sucateamento do transporte, a falta de funcionários, etc. São esses problemas cotidianos que causam transtornos para os paulistanos e foi para acabar com esses problemas que a Campanha “Chega de Sufoco” foi lançada pelo Sindicato, para trazer melhorias efetivas para o transporte sobre os trilhos. Entretanto, o governador e a empresa permaneceram inertes.

 

Fonte: CSP-Conlutas

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Cartão do Dia dos Aposentados

Feliz Dia dos Aposentados

O Sindsef-SP parabeniza os aposentados e as aposentadas pelo seu dia e reafirma seu compromisso na luta por paridade entre ativos, aposentados e pensionistas, pelo cumprimento do Estatuto do Idoso, contra os ataques à previdência e pela recomposição salarial.

Crítica: filme Noites de Paris

Nesta crítica, saiba sobre o filme Noites de Paris, que se passa em 1981. No ano de eleições, comemorações se espalham pelas ruas e há um ar de esperança e mudança.