Meu choro

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Nestes tempos tão duros
Minhas lágrimas vertem com maior facilidade
As vezes à conta gotas
Outras como uma precipitação descontrolada
Minha alma inquieta e cansada
Não se cansa de testar os limites desta vida
Que percorre por linhas tortas e inseguras
Meu amor não mudou
E como criança insiste em procurar
Um lugar para ser feliz
Resistir a dor
Teimar em seguir
Parece não ter fim
Até quando?
Como desistir se o sonho ainda permanece aqui
Como partir se o sonho ainda não se realizou
Tanto lugar para cantar e ainda permaneço aqui
Sem jeito de partir e sem jeito de ficar
Amordaçar a minha dor não, não dá
E seguir sem mudar também não
Encruzilhadas desta vida inquieta que quer seguir
Vontade de alçar outros voos em outras terras
Acordar em outro lugar
Crise que me solta e que me prende
Como sair se aqui quero ficar, não assim, diferente
Talvez mudar a forma de entender o tempo
Não em linha reta
Mas de uma forma que possa viver aqui
Feliz e sem sair de mim.
Por outro lado
Algo me diz que é tempo de partir!


Beth Lima
30/05/2021

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Critica: A ORDEM DO TEMPO

A Ordem do Tempo retrata as reações de um grupo de amigos de meia-idade ao tomar conhecimento que um asteróide caminha para colidir com a Terra.

Servidores da PGFN mobilizados por valorização e reconhecimento

Os servidores da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) retomam a organização da luta por reconhecimento e valorização da categoria. A mobilização, que começou a ganhar força através de grupos de mensagens, culminou na primeira assembleia nacional, realizada virtualmente em 19 de junho.