Ministro das Cidades deixa o cargo após denúncias

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

 

O Ministro das Cidades, Mario Negromonte deixou o cargo na tarde da última quinta-feira (02). O ministro é alvo de denúncias de irregularidades desde o fim do ano passado.

Ele é o oitavo ministro a deixar o cargo desde o início do governo Dilma, o sétimo por conta de irregularidades na pasta. O líder do partido na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), assume o cargo.

Na carta de demissão, ele agradece a confiança que recebeu e que sempre se manteve fiel ao governo da presidente. Negromonte também diz que as denúncias de irregularidades sobre a pasta que comanda não comprovaram nada contra ele.

Em novembro, segundo reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, o ex-chefe de gabinete do ministro das Cidades, Cássio Peixoto, pressionou funcionários do ministério a fraudar um parecer técnico que recomendava um sistema de transporte mais caro para Cuiabá na Copa do Mundo.

O episódio resultou na exoneração de Peixoto e um assessor de Negromonte, na quarta-feira.

A situação de Negromonte agravou-se no mês de janeiro após uma nova denúncia do jornal Folha de S. Paulo revelar a participação dele e do secretário-executivo, Roberto Muniz, em reuniões privadas com um empresário e um lobista interessados num projeto do ministério.

Com informações do G1

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.