Ministro dos Esportes é acusado de chefiar esquema de desvio de verbas

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

A oposição conseguiu aprovar hoje (19) na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara convite para que o policial João Dias Ferreira preste esclarecimento sobre as denúncias de corrupção em ações do Ministério do Esporte. A data ainda não está definida.

Mais um ministro do governo de Dilma Rousseff é acusado de corrupção. Agora o ministro dos Esportes, Orlando Silva Jr. (PCdoB), que é a bola da vez. Orlando é acusado de comandar um esquema de desvio de dinheiro público via convênios do ministério com ONG’s.

De acordo com as as denúncias, o esquema funcionava da seguinte forma: o ministério repassa verbas do programa às ONG’s, que embolsam a grana e pagam 20% ao partido, além de terem que repassar parte do dinheiro para fornecedores indicados pela legenda. Ao que parece, o policial se desentendeu com o ministro após o Ministério Público começar a investigar os convênios de suas ONG’s. Sem apoio, o policial resolveu abrir a boca.

O programa do ministério ‘Segundo Tempo’, voltado a jovens carentes, vem sendo alvo de acusações e investigações de desvio há algum tempo. Mas só após a reportagem da revista Veja, com denúncias realizadas pelo policial militar do Distrito Federal, João Dias Ferreira, Orlando foi apontado como o chefe do esquema de desvio.

João Dias Ferreira, ex-militante do PCdoB , dirigia duas ONG’s que mantinham convênios com o ministério, a Federação Brasiliense de Kung Fu e Associação João Dias de Kung Fu. Os convênios teriam sido firmados pelo então dirigente da pasta, Agnelo Queiroz, quando o político ainda compunha os quadros do PCdoB, entre 2004 e 2005, antes de trocar a legenda pelo PT em 2007 e se eleger governador do DF.

Defesa

Orlando Silva se defende das denúncias acusando o policial brasiliense. Dono de um perfil mais do que suspeito,  João Dias, que recebe um salário mensal de oficiais R$ 4,5, é dono de uma mansão em Brasília e três carros importados, segundo reportagem do jornal O Globo. Segundo o Ministério Público, as ONG’s de Dias teriam recebido R$ 4 milhões desviados dos Esportes. De acordo com o próprio policial, o total de recursos desviados pelo PCdoB podem chegar a R$ 40 milhões.

Já o PCdoB desconfiaria de seu ex-quadro Agnelo Queiroz, que contratou o policial e com quem mantinha relações bastante próximas. O atual governador do DF, em viagem, já mandou aviso: ‘o problema é do Orlando’.

O atual escândalo parece fazer parte de uma disputa pelo controle do ministério do esporte, que ganhou muito mais poder, dinheiro, e notoriedade após o anúncio da Copa e das Olímpiadas no Brasil. Isso não exclui, por outro lado, a responsabilidde do PCdoB.

Fonte: Agência Brasil e PSTU

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.