NA LUTA CONTRA O GENOCÍDIO DA JUVENTUDE NEGRA, BORA PRA RUA HOJE, 22 de agosto!

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

A violência policial se movimenta em sentido crescente, segundo dados, só no primeiro semestre desse ano, houve um aumento de 111,3% da violência policial contra a juventude negra. Douglas, Jean, Alisson, DG, Amarildos e Cláudia, foram apenas alguns dos milhares de pretos e pretas mortos pela polícia, sob aval do governo estadual (SP – PSDB / RJ – PMDB) e também federal (PT).

 Segundo o último Mapa da Violência, um jovem negro tem 139% mais chances de ser morto na rua do que um jovem branco. Essa estatística é assustadora, ainda mais quando falamos do maior país negro fora do continente africano.

Mas a luta contra o genocídio da juventude negra não é só nacional, mas sim internacional. Vimos recentemente a morte do jovem Michael Brown nos EUA, que levou a um levante negro nunca visto desde 1917 na cidade de Ferguson denunciando a violência policial que invade os bairros pobres com sua face racista.

Tanto lá como aqui, a juventude negra tem seus futuros retirados pelas balas do Estado. Não queremos mais essa vida. Não queremos mais ter que enterrar nossos irmãos, pais e filhos, só porque são negros. Não queremos mais a matança crescente promovida e aplaudida pelos governos.

Todo mundo junto no #22A (22 de Agosto), sexta-feira, às 17:00 horas no vão do MASP, para dizermos que enquanto não houver direito ao futuro, faremos das ruas nossa principal ferramenta de luta!

FONTE: QUILOMBO RAÇA E CLASSE/SP


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.