Nota do Conselho Deliberativo do Sindsef-SP sobre o segundo turno da eleição presidencial: É preciso derrotar Bolsonaro e seu projeto nas urnas e nas ruas! Voto crítico em Lula e Haddad!

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Bolsonaro é um governo serviçal dos grandes empresários, dos banqueiros, dos mineradores e desmatadores, destruidores do meio-ambiente. Ataca os trabalhadores, reforçando cada vez mais a precarização das relações de trabalho, retirando os direitos e empregos e enriquecendo cada vez mais os patrões. Quer impor a fundo o projeto de destruição do país, a começar pelo desmonte dos serviços públicos.

Mas, é mais que isso! É um defensor de ditaduras, que incentiva a violência como método político. É anti-ciência, obscuro, autoritário, e uma ameaça real aos direitos e liberdades democráticas. Está armando, não a população, mas os ricos, o crime organizado e as milícias! 

Bolsonaro não permite que se apurem as denúncias de corrupção que envolvem seus familiares e círculo próximo. Para se blindar e proteger seus familiares, entregou o orçamento do governo ao Centrão que, através do orçamento secreto, torrou mais de 16 bilhões sem nenhum controle por parte da sociedade. Mais 4 anos de Bolsonaro os trabalhadores não aguentam e não merecem!

Bolsonaro certamente jogará o Brasil no caos, pois vai querer aprofundar sua política de aumentar a miséria de nosso povo em benefício dos bilionários. Bolsonaro representa um risco para a classe trabalhadora do Brasil! 

Sem falar dos absurdos crimes cometidos na pandemia, do negacionismo, da campanha anti-vacina e da prioridade aos empresários, que nos colocou, em termos proporcionais, no país com mais mortes pela Covid. Milhares de vidas poderiam ter sido salvas se o governo brasileiro fizesse a mesma coisa que a maioria dos países, o que não foi nada de excepcional. Bolsonaro priorizou as empresas, deixando os mais pobres à própria sorte, com a cloroquina, esperando a propalada “imunidade de rebanho”.

São muitos os motivos que nos levam à necessidade de derrotar Bolsonaro, agora nas urnas, porque infelizmente muitos se negaram a jogar peso nas mobilizações de rua pelo “Fora Bolsonaro e Mourão”, única forma pela qual derrotaremos esta direita reacionária! É fundamental neste segundo turno nos unirmos em uma campanha ativa, para derrotarmos este retrocesso, na defesa dos trabalhadores e das liberdades democráticas!

Precisamos nos jogar na campanha de forma ativa, para derrotar o autoritarismo, a violência e o preconceito de Bolsonaro e Tarcísio. Por isso, chamamos ativamente o voto crítico em Lula e em Haddad! 

Isso não significa que estejamos apoiando politicamente um possível governo Lula-Alckmin, que não fará o que o Brasil tanto necessita:  uma ruptura com o atual modelo, passando pelo combate à escandalosa e imoral desigualdade social, à criminosa concentração de rendas nas mãos de uns poucos. Será necessário tirar dos bilionários e investir, de verdade, no combate à miséria, na geração de empregos, na educação, saúde e demais serviços públicos.

Precisaremos confiar em nossa organização e em nossas forças e lutar, independentemente de qualquer governo!

Dentre outras propostas, defendemos:

Revogação das reformas Trabalhista e Previdenciária, de Temer e Bolsonaro! Arquivamento da Reforma Administrativa!

Redução da jornada de trabalho sem redução dos salários! 

Fim das relações trabalhistas precarizadas! Por pleno emprego e por salários que garantam vida digna aos trabalhadores!

Pela reconstrução e valorização dos serviços públicos e dos servidores! Concursos públicos imediatos!

Por uma Petrobrás 100% estatal e pela reestatização das empresas privatizadas, como a CSN, Vale, Embraer, e outras! 

Pelo não pagamento da dívida pública manipulada pelos banqueiros!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Cartão do Dia dos Aposentados

Feliz Dia dos Aposentados

O Sindsef-SP parabeniza os aposentados e as aposentadas pelo seu dia e reafirma seu compromisso na luta por paridade entre ativos, aposentados e pensionistas, pelo cumprimento do Estatuto do Idoso, contra os ataques à previdência e pela recomposição salarial.

Crítica: filme Noites de Paris

Nesta crítica, saiba sobre o filme Noites de Paris, que se passa em 1981. No ano de eleições, comemorações se espalham pelas ruas e há um ar de esperança e mudança.