Nota do SINDICATO DOS METROVIÁRIOS DE SÃO PAULO sobre a colisão de trens na Linha Vermelha do metrô

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Acidente no metrô paulista. Foto: Beto Santarello


Nota do SINDICATO DOS METROVIÁRIOS DE SÃO PAULO sobre a colisão de trens na Linha Vermelha do metrô

O Sindicato dos Metroviários de São Paulo lamenta profundamente o acidente ocorrido hoje (16/5) pela manhã na Linha Vermelha do metrô, entre as estações Penha e Carrão. O Sindicato exige apuração imediata dos motivos que provocaram a colisão entre dois trens, fato inédito no metrô (no horário comer…cial) e muito grave, com mais de 30 feridos.

Para o presidente do Sindicato, Altino de Melo Prazeres Júnior, o sucateamento do sistema metroferroviário é o responsável pelo acidente ocorrido hoje e por vários outros que aconteceram recentemente no metrô e na CPTM.

“Os sucessivos governos do PSDB no Estado de São Paulo não investem no sistema. São 20 anos de falta de investim ento no metrô e na CPTM. É preciso contratar mais funcionários, modernizar os equipamentos e aumentar a malha.

Não houve falha humana e sim do sistema”, declara o presidente do Sindicato.

“Não fosse a atuação do operador de trem, que ao perceber a falha do sistema aplicou a emergência, o acidente poderia ter sido mais grave. Se esse acidente tivesse ocorrido na Linha 4-Amarela, que é privatizada e onde os trens não têm operador, as consequências poderiam ser ainda piores”, completa Altino.

Sindicato dos Metroviários de São Paulo
São Paulo, 16 de maio de 2012.

 

 

Colisão no metrô paulista pode ter ocorrido por falha no sistema automático

Na manhã de hoje, 16/05, houve um acidente no metrô de São Paulo. Dois trens entraram em choque na linha 3-vermelha por volta das 9h50, em um trecho da Zona Leste.  A colisão ocorreu entre as estações Carrão e Tatuapé.


A batida fez com que passageiros caíssem. Segundo informações do Sindicato dos Metroviários, 33 passageiros tiveram ferimentos leves e 2 se encontram em estado grave. Há 68 homens do corpo atuando no local, em 23 veículos.


O Metrô até o momento não informou a origem do problema.  Em nota, afirma que  as causas do acidente estão sendo apuradas pela Companhia do Metrô. Para o secretário-geral do Sindicato dos Metroviários, Paulo Pasin, a batida aconteceu devido a uma falha no sistema de automatização do Metrô.


No momento do acidente, os representantes da categoria estavam em reunião com os dirigentes da empresa, quando receberam informações de que o sistema automático que faz um trem parar quando outro está à frente não funcionou. Ainda segundo informações do sindicato, o acidente só não foi pior porque o maquinista diminiu a velocidade.


“Não pode ter havido falha humana porque esse sistema é automático. Quando há um trem à frente, a composição atrás recebe um código de via. Se o código é zero, o trem para. Houve uma falha no sistema e o equipamento mandou um sinal diferente disso, por isso a composição atrás seguiu, pelo que parece”, disse Pasin. “Em 20 anos de Metrô, eu nunca vi nada disso acontecer.”


Com a batida, os trens estão circulando somente entre as estações Palmeiras/Barra Funda e Tatuapé. O metrô acionou o serviço Paese, com ônibus gratuitos, para atender o restante da linha.


O Sindicato dos Metroviários tem assembleia decisiva, marcada para às 18:30h de hoje, sobre o Plano de Carreira, concurso interno, equiparação salarial, movimentação de pessoal, reposição e quadro de funcionários.


 


Foto: Beto Santarello/Leitor – Folha.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Cartão do Dia dos Aposentados

Feliz Dia dos Aposentados

O Sindsef-SP parabeniza os aposentados e as aposentadas pelo seu dia e reafirma seu compromisso na luta por paridade entre ativos, aposentados e pensionistas, pelo cumprimento do Estatuto do Idoso, contra os ataques à previdência e pela recomposição salarial.

Crítica: filme Noites de Paris

Nesta crítica, saiba sobre o filme Noites de Paris, que se passa em 1981. No ano de eleições, comemorações se espalham pelas ruas e há um ar de esperança e mudança.