O COLETIVO precisa sair da U.T.I.

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Grosso modo, a política é dividida “didaticamente” em esquerda, centro e direita. Não é a melhor metodologia de compreensão da realidade, pois “cabresta” o indivíduo a um quadrante do pensamento. Porém, para efeito da discussão que se pretende estabelecer, essa ideia já basta.

Não perderei o tempo de vocês com a caracterização de cada qual, ainda mais nesses tempos voláteis em que a velocidade e o volume da informação valem mais do que a veracidade de seu conteúdo. Ater-me-ei, sem querer debochar da linguagem dos “cultos”, a um desses campos, o da direita, com mais ênfase a sua vertente extremista.

Parece-me que uma das conquistas desse espectro político pró-Capital nesses 4 últimos anos foi o sistemático e significativo enfraquecimento do método de mediações institucionais. Pretendia o eliminar integralmente, para inviabilizar o diálogo, alcançando com isso adesão absoluta e acrítica do maior número de pessoas (as massas) ao seu pensamento centralizado e monocromático (verde-oliva) ou, para alguns, dicromático (verde-amarelo). Fracassou. Mas o parcialmente levado a efeito foi o suficiente para criar esse ambiente de eliminação do outro como única alternativa e solução para os problemas aparentemente sem respostas. E isso não se limita às tradicionais organizações estatais; o objetivo também e continua sendo, com esse proceder, atingir com profundidade as organizações de classe, como partidos, sindicatos, conselhos, ONGs etc., o que logrou de certa forma êxito.

O governo Temer, com sua reforma trabalhista (Lei 13.467/2017), preparou o terreno para esse estado e situação de coisas, quebrando um dos principais pilares do método de mediações institucionais com a ideia da prevalência do negociado sobre o legislado e, portanto, do decidido coletivamente. A inexistência de paridade de armas entre a patronal e o proletariado, em prejuízo a este, já era evidente; desde então, piorou, e muito! Poucos perceberam essa manobra ou fingiram esse ataque não ver em nome do que poderíamos chamar de “progresso patriótico”.

Certamente, os próximos passos dessa “intentona” seriam o enfraquecimento do parlamento, incluindo-se os órgãos de controle social direto ou indireto, bem como a substituição do Judiciário civil por tribunais militares e, ainda, o estabelecimento de um Ministério Público, dominus litis da persecutio criminis edefensor institucional da sociedade, alinhado à política militarista (entre tantas e outras medidas, como, por exemplo, a política de alteração infralegal da composição de órgãos governamentais representativos de classe).

O que puderam destruir em termos de mediações institucionais, destruíram. O individual foi supervalorizado nesse projeto de poder. O resultado é esse que, tristemente, somos obrigados a vivenciar: descontrolados buscando “resolver a parada sozinhos”. Aliás, a concepção de meritocracia e empreendedorismo tem muito a ver com isso!

Obviamente, as mediações institucionais que atualmente temos não são perfeitas, muito menos acabadas. Merecem críticas, inclusive contundentes. Todavia, a adoção de uma política simples e simplória de eliminação delas, além de se mostrar um equívoco programático, dá sinais claros e contundentes de pouca efetividade social no presente estágio de desenvolvimento social brasileiro.

A concepção de COLETIVO, de gênese crítica, precisa ser necessariamente restabelecida não só como uma das melhores práticas que alcançamos sob a perspectiva de liberdades democráticas e, portanto, de avanço civilizatório, como também de piso elementar e patamar mínimo de como proceder socialmente.

Alexandre Schnur Gabriel Ferreira

Imagem de rawpixel.com no Freepik

Solte sua voz! Mande seu texto, seu conto, sua crônica, sua poesia! O Sind Voz abre espaço para sua manifestação!

Envie-nos sua produção por e-mail: imprensa@sindsef-sp.org ou pelo WhatsApp 11 96861-9598

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Festival de Cinema Italiano

Até 4 de dezembro é possível assistir aos filmes do Festival de Cinema Italiano, gratuitamente, de forma on-line. São 16 filmes inéditos, produzidos entre 2021 e 2022 e exibidos em diferentes festivais pelo mundo, e 16 clássicos protagonizados pelas maiores divas da cinematografia italiana.

Imagem de rawpixel.com no Freepik

O COLETIVO precisa sair da U.T.I.

Grosso modo, a política é dividida “didaticamente” em esquerda, centro e direita. Não é a melhor metodologia de compreensão da realidade, pois “cabresta” o indivíduo a um quadrante do pensamento. Porém, para efeito da discussão que se pretende estabelecer, essa ideia já basta.

Comunicado importante

O 27º Congresso do Sindsef-SP foi adiado para os dias 03 e 04/03/2023. Saiba as datas para entrega de resoluções e eleição de delegados.

Povos indígenas em foco

Os povos indígenas estão em pauta no 26º festival Forumdoc.bh, voltado para documentários etnográficos. São disponibilizados cinco filmes na plataforma Itaú Cultural play até 22 de novembro